Existe hora certa para mudar de carreira e se dedicar ao desenvolvimento de games?

3 Flares 3 Flares ×

Recentemente eu participei de uma mesa redonda na Campus Party, junto com meus amigos Thiago Adamo e Maurício Alegretti.

Após as apresentações, o Thiago Adamo pediu para todos da mesa falarem sobre o processo de mudança de carreira, já que nós três tínhamos passado por essa experiência.

Eu expus, então, a minha visão sobre mudança de carreira (que é menos conservadora que a da maioria das pessoas; acho que é preciso estar mais disposto a correr riscos).

Enquanto eu respondia no palco, eu lembrei que algumas semanas antes do evento, no fórum da Academia de Produção de Jogos, um aluno iniciou um novo tópico com uma pergunta pertinente para esse assunto, que é:

Existe hora certa de pedir demissão?

Como mudança de carreira é um assunto que me interessa muito (por já ter passado por isso e ter ajudado amigos no processo), eu escrevi uma resposta um pouco mais longa lá no fórum, expondo minha opinião.

Eu sei que essa dúvida também acompanha muitas pessoas que leem o blog, então eu decidi compartilhar aqui neste post qual foi a minha resposta (na íntegra) para este aluno.

Bom, vamos direto pra resposta que eu dei e no final eu volto para fazer alguns comentários adicionais, beleza?

Então, vamos lá:

Tópico muito interessante! Eu passei anos refletindo sobre esse tema e já ajudei alguns amigos no processo de mudar de carreira. Vou colocar algumas observações aqui, que fazem sentido para mim, e quem sabe a gente vá aprofundando a discussão.

Disclaimer: tudo aqui é minha opinião particular e não deve ser encarado como verdade absoluta. Cabe a cada um fazer uma reflexão própria e chegar em suas próprias decisões e conclusões. Cada um tem um contexto particular que só a própria pessoa conhece.

Se o problema para você tomar essa decisão for a sua idade, por exemplo, eu posso te dizer que existem até mesmo vantagens de você ser mais experiente e migrar para a indústria de jogos. Em um artigo eu até falo melhor sobre isso, confira abaixo:

Dito isso, alguns pontos para se considerar…

1) Não existe “hora certa”

Eu acho que “hora certa para _____” é um mito. A vida é muito dinâmica e líquida, quando você se sentir preparado pode ser que a oportunidade já não seja tão boa.

Eu acho importante tentar analisar de forma racional a questão da mudança de carreira. Avalie todos os cenários possíveis e faça uma análise de risco. Uma coisa é garantida: sempre haverá risco, inclusive optando por continuar no emprego. O seu papel é avaliar o risco de cada cenário e tomar uma decisão.

Apenas lembre-se que não existe “hora certa” para se fazer o que indubitavelmente se quer fazer.

Eu gosto da frase “A melhor hora para plantar uma árvore é 20 anos atrás. A segunda melhor hora é agora”.

2) Não escolher também é escolher

Muita gente diz que “adia a decisão” de mudar de carreira. Falar assim dá a impressão que uma decisão não está sendo tomada, que está em suspenso, pausado. Isso não é verdade. Todos os dias você toma uma decisão: a de ficar no emprego OU sair do emprego.

Todo dia você escolhe. Se todo dia você escolhe, responda para si mesmo porque você tem tomado a decisão que tem tomado.

Eu acredito que ter consciência disso ajuda no processo. É importante entender que tudo na vida tem ônus e bônus e não existe inação.

3) Custo de oportunidade

Você acha custoso mudar de carreira? (em termos de dinheiro, energia mental, etc.)

E quanto está custando ficar onde está?

Nota adicional: Esse parágrafo não estava na minha resposta original, mas é importante explicar um pouco melhor essa parte. Um trabalho estressante, com muitas horas de expediente, custa o estresse, tempo e saúde da pessoa. Se ela está trabalhando com algo no qual não aprende nada novo e ainda não gosta do que faz, isso custa muito tempo (entre outras coisas) e depois essa pessoa acabará sofrendo as consequências por estar estagnada na carreira pois não teve tempo de se especializar e estudar o que realmente gosta para conquistar oportunidades melhores.

Ah, e se a questão do dinheiro é o seu maior problema para viabilizar a criação dos seus primeiros jogos, eu recomendo que você leia o artigo abaixo. Nele eu conto sobre as 12 maneiras que você tem disponíveis para financiar o desenvolvimento do seu primeiro game:

ESTÁ GOSTANDO DESSE ARTIGO?

Então inscreva-se para receber mais conteúdos sobre desenvolvimento de jogos e coisas que eu compartilho apenas por email!

4) “Qual é o pior cenário possível?”

Essa pra mim é uma das perguntas mais importantes. Eu a uso muito na minha vida. Analise qual é o pior cenário possível de uma mudança de carreira (ex.: consumir 1 ano de economias e ter que buscar emprego de novo”) e pense se esse cenário é realmente tão assustador assim.

Se você quiser se aprofundar nisso, a origem dessa abordagem é do filósofo romano Sêneca.

Ele era conselheiro de Marco Aurélio (o imperador) e outras grandes figuras da história.

Em uma de suas famosas cartas para Lucilius, que era procurador de Sicília durante o reinado do imperador Nero, Sêneca sugere que Lucilius passe alguns dias apenas com o absoluto básico (pão e água, um teto para dormir, roupas que cobrem o corpo) se perguntando continuamente “Essa é a condição que eu tanto temo?”. Ao perceber que os piores cenários não são tão horríveis assim, a sua coragem aumenta vertiginosamente.

(Se alguém quiser se aprofundar nisso, tá aqui um link em inglês)

5) Não superestime o medo

Muita gente diz que não faz algo porque tem medo. Ora, e quem disse que você não deve temer? Uma pessoa corajosa não é aquela que faz algo sem medo. É aquela que faz apesar do medo.

Decida, com argumentos lógicos, qual o caminho você quer seguir e como você vai chegar lá. E se der medo? Se der medo, vá com medo mesmo.

Comentários finais

Esses são alguns pontos que eu acredito serem importantes. Mudar de carreira é uma decisão bem difícil, mas também deve ser considerada uma decisão difícil ficar onde já se está e não se obtém nenhum tipo de prazer.

E só para ficar claro, já que esse é um tema delicado: não estou dizendo para largar tudo e encarar o desafio. Se quiser mesmo mudar é preciso se preparar para o desafio, definir uma data e agir.

E aí, esses 5 itens que eu expliquei fazem sentido para você?

Como eu disse na resposta acima, cada um sabe do seu próprio contexto. Apenas você pode saber o que é melhor para você. O meu intuito aqui é apenas fazer você refletir.

Se você tem interesse em mudar de carreira, eu recomendo que você assista as duas mesas-redonda online que eu fiz junto com outros desenvolvedores:

Eu também já escrevi um guia completo sobre a carreira de Game Designer, caso essa seja a sua área pretendida no desenvolvimento de jogos. Olha só:

E caso você precise de ainda mais motivação, dá uma olhada na história destes 11 desenvolvedores que eu listei aqui embaixo.

Mas, antes de acessar os materiais acima, eu gostaria de saber de você:

  1. Você já pensou em mudar de carreira para se dedicar aos games?
  2. O que te impede de fazer a transição?
  3. O que você tem feito para conseguir fazer essa mudança?

Comente abaixo suas respostas e vamos continuar essa discussão tão importante nos comentários deste post, ok?

Fico esperando a sua resposta!

  • Cleytton Cartanoly

    1. Você já pensou em mudar de carreira para se dedicar aos games?
    Sim e estou me preparando para isso. Atualmente eu tenho uma Agência Digital de Publicidade, Marketing e Comunicação Visual (www.publiquepropaganda.com.br). Nela, teremos Jogos Publicitários como uma ferramenta (produto) da Empresa, mas será a minha futura segunda empresa, que desenvolverá os Jogos Publicitários. Para isso, além da APDJ, tenho feito diversos cursos menores sobre as áreas de Jogos, estou ingressando numa segunda graduação (Marketing Digital) e, junto a nova graduação, a pós-graduação em Jogos Digitais. Também, estou trabalhando noutro emprego onde tenho uma remuneração considerável que, em 10 meses, me possibilitará o aluguel de uma sala comercial (um ano), mobiliário e equipamentos, onde dividirei os espaço para as duas empresas. Creio que quase tudo na vida seja “meios para os fins”.

    2. O que te impede de fazer a transição?
    Antigamente tinha medo de não conseguir me sustentar e conseguir alcançar outros objetivos que requer capital, mas… passei quase dois anos como freelancer até conseguir montar a Agência Digital e ver que, na verdade, “somos nós que realmente pagamos nossos salários no final das contas”, então… comecei a trabalhar pensando que “tinha a sorte de ser meu próprio patrão”, o que me levou a “dedicar ainda mais”. Bem… posso dizer que deu certo e que só arrumei um segundo trabalho para poder fazer um levantamento de capital mais considerável e que, apesar de gostar, com o tempo, abrirei mão para continuar trabalhando apenas pra mim.

    3. O que você tem feito para conseguir fazer essa mudança?
    Bem, relatei nas outras duas questões, então… não serei repetitivo. Creio muito no Mercado de Jogos e também me sinto muito feliz a cada aula que assisto na APDJ, cada curso que faço (mesmo com algumas dificuldades, mas vamos a luta, não é mesmo?) e, também, cada pequena vitória no caminho me dá uma baita sensação de bem estar, de realização. Como sou agitado demais e trabalho com vários outros segmentos, senti que, nos Jogos, posso me realizar por inteiro por poder atuar em mais de uma área. Estou feliz neste processo e continuarei lutando para conseguir concretizar a transição.

    • Raphael Dias

      Grande Cleytton! Legal ver mais um aluno da Academia de Produção de Jogos por aqui 🙂

      Achei a sua resposta fantástica. Fico feliz em saber que você está completamente comprometido com o seu crescimento pessoal e esta envolvido em várias atividades.
      Acho ótima a ideia de abrir um estúdio para produzir jogos publicitários, já que isso engloba as duas áreas que você mais se interessa (pelo o que eu entendi): marketing e jogos digitais.
      Sucesso aí Cleytton, estamos juntos nessa caminhada.
      Forte abraço!

  • Igor Alencar

    1. Sim, porém nem tenho um emprego ainda.
    2. Como eu disse, ainda nem tenho um emprego pra comprar as coisas necessários e eu ainda não sei muito sobre desenvolver jogos ou uma equipe pronta pra me ajudar. Sim, eu posso ser um desenvolver sozinho, mas é mais divertido com amigos.
    3. Por enquanto, nada ainda, infelizmente.

    • Raphael Dias

      Fala Igor, tudo bem? Obrigado pelo comentário!
      Se você ainda não tem um emprego fixo, acho que conseguir um deve ser seu objetivo principal. Apenas depois de conseguir suprir as necessidades básicas eu recomendo pensar em uma transição para uma carreira menos estável como é a de desenvolvimento de games.
      Aproveite o seu tempo livre para estudar o máximo que pode e participar de game jams e projetos de desenvolvimento de jogos.
      Grande abraço!

  • Bruno Bastos Guimarães Pereira

    1- sim, apesar de nunca ter amadurecido a ideia de fato. Não tenho conhecimento algum nesta área, tenho um emprego estável, estou pagando a prestação da minha casa e estou em vias de casar, então na minha atual situação é complicado arriscar
    2- minha atual situação já foi citada anteriormente.
    3- somente agora que comecei a procurar conhecer sobre o assunto, para viabilizar um desenvolvimento independente, inicialmente por hobby

    • Raphael Dias

      Fala Bruno, tudo bom? Valeu pelo comentário aqui no blog, cara.
      Acho que a sua abordagem está corretíssima. Com tanta coisa em vista (casamento, prestação da casa), o ideal é seguir se desenvolvendo na sua carreira atual e usar seu tempo livre para adquirir conhecimento sobre desenvolvimento de games.
      Se for do seu interesse mudar de carreira no futuro, programe-se desde já para fazer uma transição suave (2-5 anos) e consistente. Faça o máximo de cursos que puder e se envolva com projetos de desenvolvimento de games (pode ser projetos colaborativos, sem visar o lucro num primeiro momento).
      Forte abraço!

      • Bruno Pereira

        Obrigado pela resposta, Raphael! Devagar eu vou procurando estudar sobre o assunto e pôr em prática​ algumas ideias que tenho. Trabalhar com games é um sonho, e hoje consigo ver uma oportunidade de ingressar nesse mundo. Parabéns pelo seu trabalho, estou gostando muito dos conteúdos disponibilizados no site. Abraço.

        • Raphael Dias

          Muito obrigado, Bruno! abraço!

  • Carlos Cadori

    Primeiramente, ótimo post.
    Atualmente eu tenho emprego e carreira estável como programador Web, e sonho em um dia conseguir trabalhar na área de games. Porém, ao mesmo tempo eu tenho duvidas se realmente é isso que eu quero, porque desenvolver um jogo é de fato muito legal, agora, será que realmente é mais legal trabalhar como programador em um grande estúdio de games, do que em qualquer outra área? As vezes tenho a sensação de que quando se esta trabalhando, código é código…

    • Raphael Dias

      Fala Carlos, tudo bom?
      Sua preocupação é muito pertinente. Você precisa se envolver com projetos de desenvolvimento de jogos para ver se é o que você realmente gosta. Pode ser que você opte em manter sua carreira como programador Web e desenvolva jogos apenas no seu tempo livre, como um hobby mais sério que os outros.
      Sobre “código é código”, não sei se concordo. Acho que o produto final pode servir de grande estímulo para que o trabalho do dia a dia seja muito mais motivante.
      Grande abraço!

    • Há muitos anos atrás tive muita vontade de trabalhar com jogos. Hoje eu sei que minha paixão é trabalhar como programador, independentemente da área.

  • Murilo Romera

    Eu sou formado em Jogos Digitais, mas apesar disso eu não trabalho na área de jogos. Eu sou programador em uma grande empresa de TI. Não odeio meu trabalho, pelo o contrário, gosto muito do meu emprego, mas eu sempre vou ter o sonho de trabalhar na minha área de formação, que é o que eu verdadeiramente amo.

    Aliás, já luto para que isso aconteça um dia! Já atuo na área de jogos (principalmente na cena de São Paulo) como compositor e sound designer como um segundo emprego. Como a cena é bem pequena e eu tenho apenas 1 ano de freelancer (ou seja, não tenho rendimentos que façam com que eu consiga me sustentar apenas de áudio para games), ainda é muito arriscado que eu largue meu emprego. Além disso, minha carreira como programador está indo muito bem até o momento.

    • Henrique Marques

      Olá, Sou Henrique Marques, e estou entrando no curso de jogos digitais também, Gostaria que você me indicasse e me orientasse nesse novo “mundo” para mim, desde já agradeço.

      • Murilo Romera

        Opa Henrique, tudo bem?
        Me procura no Facebook ou no Twitter para conversarmos.

    • Raphael Dias

      Fala, Murilo! Tudo bom?
      Obrigado pelo comentário e parabéns pelo trabalho que vem desenvolvendo com áudio pra games!
      Você gostar do seu emprego atual é excelente, mas tem um ponto que vale tomar cuidado.
      Quando queremos fazer uma mudança importante mas estamos confortáveis onde estamos, sempre existe a possibilidade de não fazermos o esforço necessário (e geralmente assumir riscos maiores) para realizar essa mudança de forma definitiva. Acabando ficando sempre com um pé em cada carreira.
      Não estou dizendo que seja o seu caso, mas vale refletir sobre isso. Principalmente se esse período de transição se alongar por alguns anos

      Existe uma histórinha famosa exatamente sobre isso:

      “Um fazendeiro está sentado numa cadeira em sua varanda, relaxando.
      Um amigo caminha até a varanda para dizer oi, e escuta um ganido horrível, um som agudo vindo de dentro da casa.
      “Que som assustador é esse?”, pergunta o amigo.
      “É meu cachorro”, diz o fazendeiro. “Ele está sentado em um prego.”
      “Por que ele só não sai de cima do prego?”, pergunta o amigo.
      “Ainda não dói o suficiente.””

      Abraço!

      • Murilo Romera

        Opa Rafa!

        Obrigado pela resposta! Realmente é algo a se pensar. Nos últimos dias seu comentário me fez pensar bastante sobre meu esforço em mudar de área, e realmente, acho que tenho que tomar cuidado. Vou lembrar sempre disso!

        Abração!

        • Raphael Dias

          Legal, Murilo! Contente em saber que meu comentário serviu pra você refletir um pouco mais sobre o assunto.
          Abração!

  • Matheus Rodrigues

    1. Você já pensou em mudar de carreira para se dedicar aos games?
    Sim, conclui que quero fazer isso e estou realizando certos passos para o mesmo. (Pensei bastante sobre o assunto rsrs)

    2. O que te impede de fazer a transição?
    Atualmente trabalho em uma grande empresa na area de Consultoria de TI (SAP), não gosto tanto do que eu faço, tenho um bom salario para minha região e a vinculo com algumas contas, porém estou com planos juntamente com minha noiva de sair do Brasil (devido alguns planos dela e eu gostei da ideia), o que me impede atualmente é meu conhecimento na área de jogos, tenho feito alguns cursos (APDJ incluso) para aprofundar meu conhecimento pois acredito não ser o suficiente até o momento.

    3. O que você tem feito para conseguir fazer essa mudança?
    Tenho minha formação de carreira em Java (programação, modelagem, analise. documentação) , gosto muito da parte de programação pra jogos, apesar de estar explorando e conhecendo as outras áreas através de cursos, como eu disse anteriormente os passos que estou realizando é me aprofundar no conhecimento a medida do possível.

    • Raphael Dias

      Grande, Matheus!
      Acho ótimo você estar se dedicando em aprender o máximo que consegue durante esse período de transição. Só não se esqueça da importância de se envolver projetos de desenvolvimento (mesmo que colaborativos, sem objetivo financeiro), para ir construindo aos poucos um portólio. É muito importante!
      Dependendo de para qual país você e sua noiva pretendem se mudar, isso pode inclusive ajudar bastante na sua transição!
      Sucesso aí e boa sorte!

  • Adriano Santos da Silva

    Você ja pensou em mudar de carreira para se dedicar aos games?
    Sim, pois sou formado na FMU no curso de Tecnologia em Jogos Digitais, conclui o curso da Axis de Character Design, estou na produção de meu jogo, só preciso começar a fazer marketing dele, mas pretendo sim trabalhar com jogos, mas no momento estou trabalhando em uma empresa do meu pai ajudando ele.

    O que te impede de fazer essa transição?
    O que me impede é ter uma renda fixa com meus jogos para começar a fazer essa transição, pois tambem não adianta me jogar de cabeça e não evitar alguns riscos desnecessários como falta de dinheiro, não poder sair com minha namorada por não ter dinheiro kkkk, por isso antes de fazer essa transição e me jogar de cabeça na area de jogos preciso ver que naquele momento estou tendo uma renda fixa.

    O que você tem feito para conseguir fazer essa mudança?
    Eu tenho me esforçado muito a fazer meu proprio jogo sem precisar de ninguem, sempre procurando a resolver problemas de programação, sempre fazendo meus modelos 3d e minhas proprias interfaces, aprendendo mais da unity 3d, abrindo malha, texturizando, animando, sempre tentando aprender cada vez mais, o meu objetivo é lançar esse jogo que estou fazendo na steam greenlight para ver se aprovam para entrar na steam e com isso começar a ganhar uma renda com esse jogo, sendo que enquanto vou ganhando renda com esse jogo eu vou começando a produzir outro.

  • Fred Oliveira

    A uns 2 anos aproximadamente eu passei por problemas de saúde que me fizeram ficar muito tempo em casa, neste tempo voltei a fazer algo que sempre gostei, estudar. Foram assuntos diversos, meio que estava procurando algo para me aprofundar, dentre as pesquisas, acabei encontrando desenvolvimento de jogos, que era algo que admirava, porém não conseguia enxergar como algo palpável para mim, principalmente por não ter formação superior, não ser bom o suficiente desenho e nem programação.
    Neste cenário, acabei encontrando um vídeo “Criei meu primeiro game!” “infelizmente não achei o link do vídeo para colocar aqui.
    Neste vídeo eu percebi que o Construct2 era uma ferramenta ideal para as habilidades que possuía naquele momento, comecei a estudar a engine, fiz diversos protótipos seguindo tutoriais, criei algumas experimentos, depois comecei a estudar linguagens de programação como PHP, passei por JS, C# e atualmente tenho estudado Python.

    Hoje tenho alguns jogos protótipos, projetos não concluídos “qual dev não tem?”, tenho 1 aplicativo na Google play lançado e 2 em beta.

    Digo que apesar de não ser rentável da forma que eu gostaria, a melhor decisão que tomei na vida foi estudar programação, principalmente por ter a liberdade no desenvolvimento, seja um jogo, app, site, etc.
    Acompanho o site e o canal do youtube do Raphael Dias e pude aprender muita coisa nos diversos artigos e entrevistas.

    Muito obrigado Raphael

    Meu portfólio com o link dos projetos.
    http://social.gamedevbrasil.com.br/membros/fred-oliveira/portfolio/

    • Bruno Costa

      Me identifico

  • Bruno Costa

    Ótimo Post, interessante ver que eu enquanto estava na faculdade só pensava em desenvolver jogos e que isso era a coisa mais divertida de se programar. Agora meu objetivo muito um pouco, ainda quero desenvolver jogos, por causa do desafio que é uma plataforma com tantas possibilidades, mas aprendi sobre mim que na verdade gosto de desenvolver código, e código com qualidade. Então nesse texto me identifiquei muito com a parte de ainda continuar com meu trabalho, ao menos por um tempo, já que estou aprendendo muito a parte que mais gosto na real, fazer código com qualidade. Obrigado Rafhael.

  • Robin

    1. Você já pensou em mudar de carreira para se dedicar aos games?
    Mais recentemente comecei a pensar bastante nisso, mas ainda não sei, sinceramente…Desde que entrei na faculdade tive dúvidas do que eu realmente gosto de fazer e não conseguia decidir o que fazer e me sentir 100% confortável com minha decisão. Decidi terminar o curso e agora bate aquela sensação de que devia ter feito outra coisa, principalmente ligada à área de tecnologia, que eu sempre tive facilidade e gosto bastante, mas só agora com o amadurecimento que me veio isso né…na época do vestibular, 17 anos, era muito cedo pra decidir o que eu queria fazer da vida.

    2. O que te impede de fazer a transição?
    Acabei de me formar em outra área, completamente diferente (Engenharia Ambiental) e não tenho absolutamente nada de experiência na área de games, ou mesmo de tecnologia. 🙁

    3.O que você tem feito para conseguir fazer essa mudança?
    Estou estudando programação básica por enquanto e vou seguir esse caminho até ter uma base razoável…tenho a intenção de sair do país, então quem sabe pode ser uma oportunidade de mudar de área né. Difícil minha situação :/ kkk

    Ps: Parabéns pelo blog!!!

  • Erenilson Bezerra

    Raphael.. é muito delicado esse assunto mesmo… Atualmente trabalho como programador em uma grande empresa, tenho muita vontade de trabalhar com games, mas o fator financeiro pesa pelo menos de início. Mas esse ano tomo vergonha e começo a mexer para me dedicar ao que realmente gosto. RSRS abraços .

  • Warley de Souza

    1 – Você já pensou em mudar de carreira para se dedicar aos games?

    Sim. Meu sonho é trabalhar produzindo meus próprios jogos e bancar meu custo de vida através disso.
    Eu encaro a produção de jogos como um trabalho artístico e meu sonho atualmente é viver da minha arte, publicar jogos, livros, etc… Outro objetivo pessoal é terminar de escrever meus livros e transformá-los em games.

    2 – O que te impede de fazer a transição?

    Razões financeiras. Atualmente trabalho como desenvolvedor em uma grande empresa, mas em um projeto muito estressante. O único motivo pelo qual ainda não larguei o meu emprego é em função do salário. Mas nos últimos meses não tem 1 dia que eu não pense em fazer a transição e trabalhar exclusivamente com jogos.

    3 – O que você tem feito para conseguir fazer essa mudança?

    Nos últimos meses venho estudando desenvolvimento de jogos constantemente nas horas vagas. Já cheguei a pubicar meu primeiro projeto na Play Store:
    https://play.google.com/store/apps/details?id=com.wsmatis.HotDogSellerSimulator
    Atualmente estou trabalhando no meu segundo projeto.

    Não descarto a possibilidade de trabalhar em algum empresa de jogos para ganhar experiência no ramo.

  • Ola! Meu nome é Marcos e sou formado a mais ou menos 2 anos. Atualmente luto para o desenvolvimento elançamento do meu game no qual sou um dos fundadores https://www.facebook.com/talesofyinka/.
    1- É muito trabalhoso e realizador desenvolver algo que se gosta tanto como um jogo, chega a ser tentador pensar em largar tudo e partir 100% pra esse ramo, tenho essa vontade dês de o inicio do projeto, o qual eu sou praticamente um generalista, fazendo dês de programação em blueprint (unreal4), concepts, lore, animações e blocagem dos personagens, efeitos…enfim hehe.

    2 – O motivo pelo qual ainda não larguei minha atual e decepcionante carreira de faz tudo do design de pastelaria, é a minha vida pessoal e o fato de ter uma menina de 4 anos, de quem cuido praticamente sozinho…tenho medo de largar tudo e faze-la passar por apertos enfim…mas estou na luta e um dia eu sei que vou conseguir

    3- Tenho me esforçado muito para fazer o Yinka crescer e avançar com seu desenvolvimento, a equipe atual é composta por 4 pessoas que tem uma vida social muito apertada, mas ando dedicando meus finais de semana e noites sem dormir para fazer isso acontecer da melhor forma.

    Adorei sua matéria! Desejo a todos que gostam desse mundo, de criar mundos novos no geral…que continuem até o fim.

  • Paulo Roberto

    O meu problema é ter onde estudar e que não atrapalhe, no momento, a rota “casa-trabalho-estudo”. Não queria largar meu trabalho sem ter certeza de estar empregado assim que sair do trabalho atual. Amo muito o que faço, mas a forma como está sendo encarada minha profissão atualmente, é frustrante (sou professor de matemática de escola pública). Só que também curto muito o desenvolvimento de jogos. Fiz um curso curto perto de casa 8 anos atrás, ainda no DarkBasic. Gostei muito, mas infelizmente, era bem curto. Queria me aprofundar nisso, mas moro bem longe de escolas com cursos mais aprofundados…

  • Lucas Siqueira

    Parabéns pelo ótimo artigo!
    1) Penso em mudar de carreira e me dedicar ao desenvolvimento de games há pelo menos 15 anos. No passado, porém, isso me parecia muito distante (e, de fato, era – pelo menos mais do que hoje em dia, com as possibilidades que a globalização e disseminação da internet nos trouxeram).
    2) Não tive nenhum Sêneca em minha vida (ou minha educação, aliás). Estava muito preso ao que eu “precisava” ter no momento para realizar planos a longo prazo, tomar as decisões e correr os riscos necessários. Após tantos anos fazendo coisas que não me faziam bem minha saúde sofreu as consequências e eu tive de parar. No fim das contas, o prejuízo foi maior por adiar a mudança do que se a tivesse feito no princípio e sofrido no trajeto.
    3) Tenho estudado por conta programação e design de software/games, ao mesmo tempo desenvolvo meu primeiro projeto, de forma completamente independente. Formalmente, persegui outras áreas… Ainda me bate a insegurança sobre como me inserir no mercado, não sendo mais nenhum garoto. Mas, ao mesmo tempo, hoje, com minha saúde já recuperada, sinto-me que a hora é agora.

  • Wallison Medeiros

    Demorei muito para acordar para a vida e entender a importância dos estudos e de uma profissão que realmente me faça sentir bem, e não apenas pagar as contas. Nisso foram-se 19 anos da minha vida, mas desde o início da adolescência me via como uma animador de jogos. Devido a condição financeira não tive como bancar os estudos de uma faculdade particular no Sudeste, já que onde moro, João Pessoa, não tinha nenhum curso da área e eu não tinha conhecimento de algo do tipo nos estados próximos. Resultado, decidi por outro curso e 12 anos depois estou revivendo o sonho de trabalhar com games, largar arquitetura e me dedicar a este sonho. O que me impede? Além de achar q minha idade não permite acompanhar a galera mais jovem, ainda tenho receio de não conseguir espaço no mercado. Quanto ao que tenho feito para seguir este caminho, aprendo da maneira que posso! Cursos online de modelagem e animação, leitura especializada e em um futuro próximo, voltar a facultadade. Bom, este último ponto vai depender muito de minha situação financeira, mas sei que valerá a pena!
    Bom, muito obrigado pelo texto, realmente me fez refletir!