Desenvolvimento & Produção

Portfólio para programador de jogos: como criar

Portfólio para programador de jogos: como criar

Coloque seu nome e email para receber meus melhores conteúdos:

É muito comum programadores de jogos criarem portfólios que só podem ser entendidos por outros programadores.

Só que no Brasil muitas empresas de games são formadas por profissionais de diversas áreas.

Principalmente nas empresas menores (a maioria atualmente), quem está contratando não entende sobre programar jogos.

Depois de passar algumas vezes pelo processo de contratar um programador de jogos para meus projetos, entendi o que era necessário para um portfólio de programador de jogos ser de respeito.

Por isso eu quero compartilhar com você algumas recomendações de como eu acho que é um portfólio sensacional.

Acredito que essas recomendações são fundamentais para você que:

  1. É um programador de jogos e quer ter melhores oportunidades de trabalho;
  2. Está iniciando na área de games e ainda não sabe como montar um portfólio de programador de jogos;

E no fim do artigo eu quero propor um DESAFIO para você que é programador.

Vamos conhecer a cereja do bolo para portfólio incrível de programador de jogos

Fundamentos de um portfólio: comece por aqui!

Fundamentos de um portfólio de programador de jogos

Você acredita que:

  • Um portfólio só deve ser constituído por jogos inteiros?
  • Um portfólio só serve para quem já tem jogos publicados em alguma loja?
  • Trabalhos pequenos ou estudos não devem ser incorporados ao portfólio?

Já ouvi várias pessoas do mercado de jogos falarem coisas desse tipo sobre portfólios.

Só que nada disso é necessariamente verdade.

Por isso vamos entender 2 fundamentos sobre portfólios…

Fundamento #1: Provar o que você sabe fazer

Já imaginou se alguém pergunta para se sabe fazer alguma coisa, mas você não tem como provar?

Ter um portfólio é essencial quando esse tipo de coisa acontece.

A principal função de um portfólio é mostrar para outras pessoas que você tem as habilidades necessárias para fazer um trabalho.

Isso pode parecer óbvio, mas quando você chega na hora de criar um portfólio, não é tão simples assim.

Um portfólio deve conter diversos tipos de trabalho que você já fez, como:

  • Jogos próprios (publicados ou não);
  • Game assets que você criou;
  • Pedaços de jogos que você reproduziu.

O mais importante é que nesse portfólio contenha provas das habilidades que você possui, mesmo que o projeto não esteja finalizado ou publicado.

Fundamento #2: Qualquer pessoa precisa entender seu portfólio

Se alguém está buscando um trabalho, logo ter um portfólio é extremamente essencial.

O que pouca gente entende sobre portfólios é que eles precisam ser feitos para que qualquer pessoa consiga compreendê-lo.

Pense que você está navegando pela internet e encontra um anúncio para uma vaga de programador de jogos.

Você decide aplicar para trabalhar nessa empresa que está contratando.

Então manda um e-mail para eles com o seu portfólio: um GitHub cheio de projetos e pastas.

Ao apresentar seu portfólio dessa forma você está pressupondo que quem está contratando é um programador mais experiente.

Agora vamos entender o motivo…

Programadores de jogos não podem cometer esse erro no portfólio

Programadores de jogos não podem cometer esse erro no portfólio

Um artista, um roteirista, um professor e até mesmo um advogado podem estar procurando um programador de jogos para fazer um trabalho.

Pode ser que eles não saibam ou não consigam ler um portfólio feito no GitHub.

Criando portfólio no GitHub, está restringindo a capacidade de trabalhos que você pode conseguir.

Somente outra pessoa que sabe usar o GitHub vai ser capaz de avaliar sua capacidade técnica.

Por exemplo, eu tenho alguns alunos na Academia de Produção de Jogos que comentam sobre a dificuldade em contratar programadores para desenvolver suas ideias justamente porque não são programadores.

Nessa situação, é difícil de entender se o programador vai conseguir fazer ou entregar aquilo que se propõe.

Muitas vezes não é possível que um leigo em programação entenda e avalie o que está sendo exposto naquelas linhas de código.

Como o mercado brasileiro está ainda começo, é muito difícil que outro programador experiente avalie seu portfólio.

Geralmente são sócios da empresa ou até pessoas de outros cargos que não entendem nada de programação que vão avaliar um portfólio.

Por isso, é fundamental que suas habilidades no portfólio sejam demonstradas de uma forma que qualquer pessoa consiga entender.

Mas qual é a melhor forma de criar um portfólio para programadores de games?

É exatamente sobre isso que quero trazer no desafio a seguir…

Desafio: Criando um portfólio de programador de jogos

Desafio portfólio programador de jogos

Não há como negar…

Se o programador topar fazer esse desafio, a qualidade do portfólio vai mudar para sempre.

Mas o que o programador de jogos ganha se topar o desafio?

Além de destaque no mercado, o desafio pode trazer:

  • Experiência na criação de games;
  • Portfólio de qualidade;
  • Potenciais contratantes vão entender o que você sabe fazer;
  • Capacidade de concluir um projeto;
  • Demonstrar que você não sabe somente programar, mas que você programar jogos;
  • Ficar no nível exigido no mercado de games.

Mas já quero avisar que esse desafio não será nada fácil. 

Dependendo do tempo disponível de cada pessoa pode levar dias ou até meses para ser concluído.

Por isso que vou trazer um passo a passo sobre como um programador pode colocar em prática esse desafio.

Passo #1: escolha um gênero de game

Sabe aquele gênero de jogo que você curte bastante e gostaria de fazer um game desse estilo?

Essa primeira parte do desafio envolve exatamente isso.

Escolha um gênero de jogo (ou um subnicho de mercado) que você tem interesse em produzir.

Pode ser jogos de plataforma, FPS, RPG ou corrida.

O que importa é escolher um tipo de jogo que você quer criar.

Passo #2: considere o que implementar

Com o gênero escolhido, pense em qual seria a mecânica mais importante de implementar dessa categoria de jogos…

Alguns exemplos são:

  • A mira do sniper ao escolher o gênero FPS;
  • Movimentação dos inimigos de um jogo de plataforma;
  • A inteligência artificial de um jogo de simulação.

Você pode considerar fazer um jogo inteiro para esse desafio se optar por um gênero menor, como puzzles minimalistas.

Passo #3: escolha um jogo de referência

Imagine que você escolheu o gênero de plataforma para fazer esse desafio.

Você escolhe implementar a mecânica de movimentação de um personagem principal desse gênero.

Agora é o momento de escolher um jogo que tenha um ótimo game feel de movimentação de personagem e recriar essa mecânica para o seu portfólio.

E não se preocupe: você não vai estar copiando jogo nenhum.

Esse seu estudo não vai parar em nenhuma loja ou coisa parecida.

O objetivo de recriar o game feel desse jogo específico é mostrar que você sabe programar jogos que existem no mercado.

Não precisa pensar na arte. Estamos falando apenas de blocos e figuras geométricas.

O mais importante é que o personagem que vai se mexer na tela tenha a mesma sensação do que a da referência.

Por isso minha dica é pesquisar bastante como fazer essa sensação.

Existem diversos artigos e vídeos na internet contando como os desenvolvedores fizeram seus jogos.

Um desses exemplos é Celeste. Os desenvolvedores postaram algumas das técnicas utilizadas na movimentação do personagem principal.

Algumas delas são: Coiote Time e Jump Buffering, que fazem os jogos de plataforma terem aquela experiência única enquanto estamos jogando.

Se você possui interesse em criar jogos de plataforma, dê uma olhada nesse vídeo sobre 7 técnicas pro seu jogo de plataforma ficar bom de jogar onde eu falo justamente esses detalhes que fazem a diferença de um jogo “amador” para um jogo “profissional”.

Passo #4: programador de jogos coloque a mão na massa!

Sabendo o que implementar, agora é só eliminar todo o resto e focar em criar essa mecânica.

Se você quiser deixar o portfólio ainda mais interessante, há algo ainda muito mais legal que pode ser implementado em seu portfólio…

Nível hard: faça isso para demonstrar ainda mais suas habilidades

Faça isso para demostrar suas habilidades no portfólio

Imagine um menu com 3 opções e um personagem no meio da tela (pode ser um bloco mesmo).

Uma delas está escrito Celeste, outra Super Meat Boy e outra Katana ZERO.

Os parâmetros dos controles do personagem são readaptados cada vez que uma opção é escolhida.

Ou seja, o personagem simula a movimentação igualzinho ao do jogo selecionado.

Esse é o desafio: fazer um portfólio com não apenas uma opção de jogabilidade, mas sim 3 ou mais!

E claro: quanto mais próximo ficar da jogabilidade do jogo que você está tentando emular, melhor.

Você vai notar que isso é difícil de fazer.

Os desenvolvedores demoraram muito tempo para criarem um jogo com um nível alto de qualidade.

Existe uma quantidade gigante de detalhe para fazer jogos com aquela sensação boa ao jogar.

E você criando portfólios com essas qualidades técnicas, mostra que sua capacidade de entendimento de mercado é enorme.

O que você deve fazer agora?

O que você deve fazer agora

Se você topar o desafio, agora é só colocar a mão na massa!

E para você que está procurando por programador de jogos, já sabe qual é o portfólio ideal que você deve receber em mãos!

Se você quiser deixar aqui nos comentários o gênero do jogo que você escolheu, fique à vontade.

Quando você fizer seu portfólio, mande pra mim através dos comentários desse artigo que eu com certeza vou querer ver!

Opa,

qual foi a maior sacada que você teve? Conte nos comentários.