Desenvolvimento & Produção

Como publicar jogos: como funciona, melhor plataforma e outras dicas

Como publicar jogos: como funciona, melhor plataforma e outras dicas

Coloque seu nome e email para receber meus melhores conteúdos:

Seu jogo está na reta final de desenvolvimento.

Ou você está bolando a estratégia de marketing para o seu jogo.

Ou na fase de pré-produção.

Não importa em qual estágio você esteja, haverá um momento que esta pergunta irá surgir: como publicar meus jogos?

Esse questionamento borbulha em nossos pensamentos.

Com ele, surgem muitas outras perguntas sobre processos de publicação, se vale a pena ou não cobrar pelos jogos e, até mesmo, qual melhor plataforma para publicar o primeiro jogo.

Eu sei muito bem como você se sente.

Também já fiz essas perguntas a mim mesmo lá no começo da minha jornada como desenvolvedor de jogos. É por causa disso que resolvi te ajudar.

Vou te contar como funcionam as plataformas de publicação mais conhecidas, dar estratégias sobre o mercado, além de exemplificar situações reais que aconteceram com meus alunos da Academia de Produção de Jogos.

Neste artigo, quero entrar em detalhes sobre:

Pronto para descobrir mais sobre o assunto?

Então vamos começar!

Como funciona o processo de publicação de um jogo? É preciso pagar alguma coisa?

Ter um jogo disponível com jogadores reais interagindo e consumindo seu produto vai muito além de escrever códigos em uma engine.

Para isso, precisamos publicá-los em algum marketplace, uma plataforma onde vários desenvolvedores e estúdios de games colocam seus jogos à venda.

A grande questão é que cada plataforma possui suas próprias características, regras e preços, além de vantagens e desvantagens.

Para entender de forma mais profunda sobre algumas das plataformas que existem na indústria, separei em três tópicos detalhes de cada uma delas. Acompanhe:

Como publicar jogos na Steam: conseguindo seu slot mesmo que seu jogo não esteja pronto

O serviço de distribuição de jogos para PC mais popular atualmente, a Steam é uma das principais escolhas dos desenvolvedores.

Se você quiser publicar seu jogo por lá, terá que participar do programa de parceiros Steamworks da plataforma.

Para isso, é necessário preencher uma papelada digital e pagar a tarifa de depósito equivalente a USD 100.00 para cada jogo que você quiser distribuir. Cada país possui um valor exato e, aqui no Brasil, o investimento fica em torno de R$389.

Depois de receber seus dados e a tarifa, a plataforma libera seu acesso ao Steamworks. O Slot, que é como se fosse o “lugar” separado para o seu jogo, já fica disponível.

Vale comentar que o valor pago inicialmente não é reembolsável. Contudo, quando o produto alcança a renda bruta de USD 1,000.00, a conta da Steam receberá o valor da tarifa de depósito por meio da Loja Steam e compras no aplicativo.

Vale ressaltar que para você realizar esse processo de compra do slot na Steam, o seu jogo não precisa estar pronto.

Você pode fazer isso durante ou antes do início do desenvolvimento. Assim, quando o jogo estiver pronto para ser publicado, essa parte mais burocrática já foi adiantada. Dessa forma você ganha agilidade para publicar o quanto antes.

Antigamente, a publicação na Steam era feita gratuitamente, mas de alguns anos para cá, essa taxa de USD 100.00 por jogo passou a ser cobrada.

Acredito que esse valor sirva como um filtro para desestimular jogos de baixa qualidade na plataforma.

Ou seja, para que a plataforma não fique poluída com jogos que não atraiam atenção do mercado, jogos que o próprio desenvolvedor não acredita que irá vender pelo menos os USD 1,000.00 (que é a partir de quando você ganha o crédito dos USD 100.00 como já explicado).

Publique na App Store e Google Play da seguite forma

No caso da App Store, o valor de USD 99.00 deve ser pago anualmente para manter uma conta de desenvolvedor ativa.

Você pode publicar quantos jogos quiser para iPhone, iPad e Mac nesse período, já que você terá uma única conta.

Se você decidir não fazer a renovação anual, ou seja, pagar novamente os USD 99.00, seus jogos não ficarão mais disponíveis na plataforma.

Já no caso da Google Play, o processo é um pouco diferente. Você precisa se inscrever numa conta de desenvolvedor e pagar uma taxa única de inscrição de USD 25.00 Não é necessário fazer uma renovação anual.

App Store e Google Play possuem número de aplicações ilimitadas que podem ser publicadas em suas plataformas.

Publicação de jogos em console: sonho ou possibilidade?

Muitos desenvolvedores cresceram jogando seus jogos favoritos nos consoles da Sony ou Microsoft ou Nintendo.

Quem passou por isso imagina o quanto seria uma realização de carreira publicar um game em alguma dessas plataformas. Muitos até mesmo têm isso como objetivo.

Mas o mercado para publicação em consoles é muito competitivo e sofisticado.

É preciso que seu jogo tenha destaque dos demais. Ou que você, ou sua empresa, tenham um bom histórico como desenvolvedor (com jogos de sucesso publicados em outras plataformas, por exemplo) para finalmente conseguir colocar seu jogo em alguma dessas plataformas.

Para alcançar a publicação na Sony, como Microsoft ou Nintendo, existem dois sistemas mais comum entre os desenvolvedores para publicar seus jogos nessas plataformas.

  • Fazendo parte de programas de desenvolvedores qualificados: Nintendo Developer e [email protected] são programas para desenvolvedores se filiarem a Nintendo e a Microsoft com a finalidade de criar games e ou aplicações para os consoles dessas empresas. É preciso fazer um registo, um pitch e, se você for selecionado para participar, pode ganhar SKD’s gratuitamente. Sony também possui PlayStation Partners que possuem o mesmo conceito.
  • Fazendo negócios com Publishers: as Publishers voltadas para os jogos de console funcionam como desenvolvedores qualificados. Elas possuem uma abertura mais concreta com os consoles porque trabalham diretamente com isso. As duas partes, a Publisher e a equipe desenvolvedora, entram em comum acordo para fazer um contrato de distribuição do jogo da forma mais viável para ambas as partes.

Foi usando a última estratégia que meu estúdio — Minimol Games — publicou Zen Chess no Nintendo Switch.

Através de uma Publisher, nosso jogo de escopo concêntrico e de gráfico minimalista, alcançou milhares de novos jogadores.

Como Zen Chess já havia sido lançado na inicialmente na Steam, a publicação em uma nova plataforma acabou nos rendendo mais receita.

Lá no meu canal do Youtube, acabei gravando um vídeo que fala um pouco mais do processo de criação de Zen Chess.

Assistindo o vídeo, você vai descobrir mais sobre:

  • O processo de criação de ideias de Zen Chess;
  • Como fazer muito com pouco: as restrições financeiras do projeto;
  • O escopo concêntrico: fazendo o projeto crescer ainda mais.

Há diversas outras plataformas para publicar jogos. Aqui no blog, já escrevi um artigo sobre 20 lugares para você publicar seu jogo. Se quiser outras opções e entender melhor suas vantagem, dê uma conferida no texto!

Qual é a melhor plataforma para lançar o primeiro jogo? Existe um lugar certo?

Conheço muita gente que está desenvolvendo um jogo e não faz a mínima ideia em qual plataforma irá publicá-lo.

Ou então, acaba colocando o game em qualquer uma, por ser mais fácil de publicar.

Em muitos casos assim, o jogo acaba dando um resultado ruim, gerando poucas vendas ou poucos downloads. Então os desenvolvedores acabam pensando que o problema está no jogo que produziram.

Nem sempre isso é verdade.

Não existe uma resposta certa para a ampla pergunta “Qual a plataforma certa para publicar meu primeiro jogo?”. Existem estratégias que podem trazer benefícios lucrativos para você desde a primeira publicação.

Mas se você já publicou e está notando que os resultados não estão como gostaria, talvez seja a hora de partir para uma estratégia diferente: publicar o game em outra plataforma.

Eu vou te explicar em detalhes sobre como a estratégia de publicar um jogo em uma nova plataforma pode ser mais adequada para seu caso. Vou te trazer histórias reais de meus alunos da Academia de Produção de Jogos. Me acompanhe.

Cada caso é um caso: exemplos reais de alunos da Academia de Produção de Jogos

No fórum da Academia de Produção de Jogos há um tópico completo contando o caso do Danilo e seu jogo One Strike. Por lá, de forma detalhada, ele explica muitos pontos importantes sobre o desenvolvimento do jogo até a publicação na Steam e depois no Nintendo Switch.

One Strike jogo de um aluno da Academia de Produção de Jogos

Mesmo após três anos de publicação, One Strike tinha apenas cinquenta e duas análises de usuários na plataforma Steam.

Dependendo do caso, esse número pode até ser uma quantidade razoável de reviews. Mas se cruzar as informações sobre tempo de publicação com a quantidade de análises, o jogo não parece ter vendido tanto assim nessa plataforma.

Entretanto, quase um ano depois do lançamento na Steam, Danilo resolveu rever suas estratégias. One Strike foi distribuído para Nintendo Switch através da Qubic Game e por aí as coisas começaram a melhorar.

Se você for até o site da distribuidora, verá que o jogo vendeu 100 mil cópias em 12 meses, conseguindo alcançar o Top 3 dos mais vendidos na Nintendo eShop.

Há outro caso que quero compartilhar com você.

Julianos Sales é desenvolvedor que também participa da Academia de Produção de Jogos. Ele compartilhou sua experiência sobre lançar um jogo na plataforma errada e quais foram os resultados após trocar sua estratégia.

Veja o que ele disse a respeito:

Esses desenvolvedores repensaram suas estratégias de vendas, publicaram numa plataforma mais apropriada para seus jogos e conseguiram resultado de venda muito melhores.

A estratégia é ficar de olho nos resultados, analisar a situação e estar pronto para dar o próximo passo caso seja necessário.

Claro que tudo irá depender de caso para caso, de jogo pra jogo.

Muitas vezes o problema não é o jogo ser bom o suficiente, mas só a plataforma que ele está inserido.

E se bons resultados chegarem, busque mesmo assim alcançar novos públicos e novas plataformas. Distribuir o seu jogo através de uma Publisher, por exemplo, pode ser uma alternativa interessante para fazer as coisas acontecerem sem depender diretamente do seu esforço no porting para uma nova plataforma.

Se não focar em melhorias, você pode perder formas lucrativas de alcançar mais plataformas com o mesmo jogo.

Se for seu primeiro jogo a ser publicado, e estiver perdido por onde começar, te aconselho a publicar inicialmente o seu produto na Steam (Mas não publique de forma gratuita. Vou explicar mais sobre isso no tópico abaixo).

Por que você não deve publicar seu jogo completo de graça

Pense no seguinte cenário: todos os dias você chega do trabalho cansado e cheio de preocupações.

Mesmo assim, investe 2 ou 3 horas para fazer com que seu projeto avançasse cada vez mais.

Compra alguns assets e gasta algum tempo estudando como fazer alguma mecânica que será implementada no jogo.

Esse processo se repete por vários e vários meses até que a versão final do seu jogo está pronta.

Então, você vai no itch.io e sobe seu jogo gratuitamente, um projeto que é fruto de meses de trabalho.

Você já parou para pensar no real motivo para publicar um jogo completamente de graça?

Essa opção é por causa de uma estratégia bem pensada ou você tem medo dos resultados ruins que seu jogo pode vir a ter?

Essa última situação se repete entre os desenvolvedores de jogos e eu gostaria que você não caísse nessa enrascada também.

Vou aprofundar mais sobre o assunto nos tópicos abaixo.

Demos gratuitas e a estratégia para coletar feedbacks

Existe uma estratégia, principalmente para quem está fazendo jogos com escopos maiores (com tempo de desenvolvimento mínimo em torno de 1.500 a 2.000 horas), que é publicar demos gratuitas para coletar feedbacks e entender melhor a percepção do público para com o seu jogo.

Esse foi o caso de Ana Ribeiro que desenvolveu o jogo Pixel Ripped 1989 para um trabalho em seu mestrado em Jogos Digitais.

Ela conseguiu destaque com uma demo do jogo na loja da Oculus, alcançando o primeiro lugar mundial com o seu produto.

Eu já gravei um podcast com ela, onde ela conta a história do desenvolvimento desse projeto.

Veja só o que a Ana fala a respeito:

Incrível, não é mesmo?

Se você quer saber mais detalhes sobre a história da Ana, basta acessar o link: Ela recusou £200.000 e criou um dos melhores jogos VR de 2018, com Ana Ribeiro

Mas se você está fazendo um game mais enxuto, um jogo de até 1.000 horas de trabalho, eu recomendo você ir direto publicar o seu jogo na Steam, levando em conta tudo o que estávamos falando na seção anterior.

Ser profissional mesmo que você tenha medo dos resultados

Já conversei com vários desenvolvedores que publicam seus jogos de graça por terem medo de lidar com reações negativas do público.

Fazem isso porque se o jogo tiver problemas, mas se o jogador não teve custo financeiro da compra, acham que a situação acaba não sendo grave.

Mas essa é a forma como você gostaria de se posicionar como um desenvolvedor de jogos dentro do mercado?

Análises negativas sempre irão existir, é impossível agradar a todos.

Contudo, se análises do seu jogo forem mais negativas do que positivas, a melhor estratégia é aprender com elas. Entenda quais os fatores que seu usuários estão comentando e tente melhorá-los.

Isso fará com que você tenha certeza que os passos que está dando são sólidos, além de se comportar profissionalmente no mercado.

Não importa de você é desenvolvedor, engenheiro ou músico, essa dica é válida para qualquer profissão.

Se você publicar seu jogo de forma gratuita, certifique-se que esteja fazendo isso por estratégia e não por medo de cobrar por algo que você criou.

Pronto para fazer a publicação do seu jogo acontecer?

Neste artigo te dei diversas estratégias sobre como publicar jogos.

Agora quero ouvir de você: você já sabe qual é o próximo passo para publicar seu jogo? Qual é a plataforma irá usar?

Comente abaixo para eu saber!

Assim, podemos conversar um pouco mais sobre o assunto.

Nos vemos no próximo artigo!

Forte abraço e até mais!

Opa,

qual foi a maior sacada que você teve? Conte nos comentários.