A Importância do Estudo das Cores no Desenvolvimento de Games

19 Flares 19 Flares ×

Este é um artigo convidado escrito pela Patrícia Tamega, onde será discutido o estudo das cores no desenvolvimento de games.

Patrícia Tamega é Designer Gráfico e atua produzindo arte para jogos digitais. Você pode conhecer mais sobre o trabalho da Patrícia visitando o seu site ou seu perfil no LinkedIn.

A Patrícia Tamega também é membro da Academia de Produção de Jogos, a nossa plataforma online com cursos, entrevistas, maratonas de desenvolvimento, palestras e muito mais.

Aliás, se você quer se aprofundar no desenvolvimento de jogos e saber mais sobre a Academia PDJ, não deixe de participar de uma aula online comigo! Você pode se inscrever por meio deste link.

E se você está lendo esse post pensando que apenas quem sabe sobre arte e desenho pode criar jogos, fique sabendo que está muito enganado!

Esse é um dos maiores mitos que impedem as pessoas de criar jogos e eu até falo sobre ele em um artigo. Não deixe que ele te impeça de começar a criar seus games, combinado?

Bom, eu tive o prazer de conhecer pessoalmente a Patrícia em um encontro da Academia de Produção de Jogos no começo de 2016:

EncontroAcademiadeProducaodeJogos

(A Patrícia Tamega é essa sentada mais à direita na foto)

Neste artigo sobre o estudo das cores, a Patrícia Tamega vai te mostrar:

  • O Poder da Cor no Universo dos Jogos Digitais;
  • O que são Cores Análogas e Cores Complementares (e como utilizá-las);
  • A Relação entre Cores e Sensações;
  • 6 Dicas Importantes para Acertar na Escolha das Cores do seu Game;

Com vocês, Patrícia Tamega

Dentre todos os recursos que fazem parte da linguagem visual, o elemento cor é o mais importante em um projeto gráfico. Segundo estudiosos da psicologia das cores, ela tem o poder de interferir no comportamento humano.

Em um projeto para vídeo game, a escolha pelas cores certas tem grande importância. Jogos, em sua maioria, são coloridos, e com certeza a experiência do jogador é influenciada pelas cores, mesmo que inconscientemente, pois expressam coisas que não seriam possíveis sem seu uso.

O Poder da Cor

Pelas minhas pesquisas, um artigo sobre cor no “universo dos jogos digitais” tem por finalidade auxiliar os iniciantes na área, pois existe pouco material disponível em língua portuguesa a respeito disso.

Este artigo é sobre as cores aditivas, que são as que mais interessam a um desenvolvedor de games. Obviamente, para quem quer fazer um jogo, mas não entende muito da parte artística.

Espero que este artigo esclareça algumas dúvidas, e que dê uma luz aos leitores!

Cor-Luz

cores-nos-games-1Também chamadas de cores aditivas, temos como primárias da luz o vermelho, o verde e o azul.

Todos os monitores são formados pela mistura aditiva (modelo RGB – Red, Green e Blue).

No sistema RGB, utilizamos proporções de vermelho, verde e azul, em uma escala de 256 valores possíveis (de 0 a 255) para cada uma das três cores primárias.

Multiplicando esses valores (256 x 256 x 256), temos 16,7 milhões de cores possíveis. Uma quantidade que até ultrapassa a capacidade humana de distinguir todas as cores.

cores-nos-games-2

Resumindo, saber misturar as cores pelo Sistema RGB de seu programa gráfico, já dá suporte para escolher uma paleta de cores harmoniosa para seu jogo.

cores-nos-games-3

Estudo das Cores: Círculo Cromático no Sistema Aditivo

cores-nos-games-4O círculo cromático é a representação das cores do Espectro Visível, colocadas de forma prática e didática para seu uso.

Vamos voltar um pouco no tempo, naquela aula de ciências em que aprendemos que o físico Isaac Newton, em 1665, fez um experimento com um prisma, refratando a luz através dele e a dividindo nas cores do arco-íris.

No ano seguinte, Newton criou um diagrama em forma de círculo, que permanece praticamente inalterado até hoje.

cores-nos-games-5

O objetivo de utilizar um círculo cromático é encontrar cores que funcionem bem juntas, de forma harmoniosa.

As harmonias cromáticas mais utilizadas em um círculo cromático são: entre as cores análogas, as complementares e a tríade, como mostra o esquema abaixo.

Cores análogas

cores-nos-games-6
Duas ou mais cores ao lado da cor escolhida

O personagem Aquila, de Sir Oliver, é feito com cores análogas, isto é, cores “vizinhas” no círculo cromático.

Recurso simples e prático para utilizar em personagens de animais que não usam vestimenta.

Aquila, de Sir Oliver

O cenário do jogo Badland é feito de cores análogas. Elas criam um visual cromático agradável. Logicamente neste caso, o tratamento com luz dá um espetáculo à parte na arte!

Badland

Os cenários do jogo Swamp Attack são criados em matizes próximas, análogas, que são relações simples entre as cores, gerando um ar suave ao ambiente.

Swamp Attack

Cores complementares

Cores opostas no círculo cromático
Cores opostas no círculo cromático

O personagem do jogo Bullet Boy veste roupas e acessórios com cores complementares (vermelho e verde). Aliás, a arte toda utiliza esta mistura de cores, apenas variando a intensidade de saturação e luminosidade. O fundo com pouca saturação e o primeiro plano com bastante saturação (contraste).

Bullet Boy

No jogo Red Ball, os assets, os botões e o personagem (vermelhos) são complementares ao cenário (tons de verde).

Dá para trabalhar a diferença de contraste entre primeiro plano e fundo utilizando transparências diferentes nas camadas (layers). Mas isso é uma outra história!

Red Ball

O herói de Dragon Quest 8 usa dois pares de cores complementares (vermelho e verde, e um tom de azul com um amarelo alaranjado). Podemos dizer que é uma relação complementar dupla. Sem contar o cenário, que é todo feito utilizando cores análogas e complementares.

Dragon Quest 8

Tríade

Três cores com espaçamento igual no círculo.
Três cores com espaçamento igual no círculo.

Para mim, o melhor exemplo de tríade é o personagem Sonic. E, detalhe: é uma tríade primária, pois utiliza as três cores primárias!

Sonic

Porém, é importante dizer que as tríades mais fáceis de manejar são as tríades de cores secundárias e terciárias.

No caso do Sonic, o branco dá uma base suave, e o verde da tríade está só nos olhos do personagem, senão poderia parecer muito berrante.

Outras Representações da cor em um programa gráfico

Existem outros sistemas para mistura de cores, como mostra a figura abaixo, da janela de cores do programa Photoshop, da Adobe.

Cor no Photoshop

E por que conhecer outros sistemas?

Apesar do sistema RGB ser o mais utilizado pela facilidade intuitiva que oferece, é importante conhecer o HSB, pois ele auxilia na compreensão do conteúdo.

No Sistema HSB, também chamado de HSV, temos o H (Hue), de Matiz; o S (Saturation), de Saturação e o V (Value) ou B, de Luminosidade.

cores-nos-games-17

MATIZ: é a fase da cor no espectro visível.

SATURAÇÃO: é a quantidade de cor (mais ou menos contraste).

LUMINOSIDADE: é a quantidade de luz (mais escura ou mais clara).

O esquema abaixo lado mostra em destaque o espectro visível ao olho humano.

cores-nos-games-18

Para entendermos a importância dessa explicação, da relação existente entre os três parâmetros cor/ saturação/ luz, preparei alguns exemplos.

No jogo Journey, temos pouca saturação, por isso, pouco contraste. O contraste que existe (pois tem que existir pelo menos um pouco), é gradativo até o primeiro plano.

cores-nos-games-19

Em oposição ao Journey, o jogo Fez tem um contraste alto, isto quer dizer que as cores são bem saturadas.

Fez game

Acredito que neste momento não exista melhor exemplo para explicar cores claras e escuras. O jogo Limbo utiliza essa relação de forma primorosa.

É possível trabalhar com uma escala acromática que inclua todas as tonalidades entre o preto e o branco, com variação de luminosidade.

cores-nos-games-21

Cores e Sensações

cores-nos-games-22

Apesar de uma mesma cor poder significar algo diferente para cada pessoa por inúmeros motivos, como cultura local, experiências pessoais, faixa etária, memória afetiva, humor, etc., existem as sensações em comum que as cores proporcionam.

cores-nos-games-23

Estas dicas auxiliam na escolha das cores, mas lembrem-se que temos matematicamente 16,7 milhões de possibilidades de cores.

O conceito clássico nos ensina que as cores quentes são emocionais e as cores frias são racionais.

Sensações Visuais Cromáticas

Amarelo – Luminosidade, Alegria, Ludicidade, Criatividade. Indicado sempre a projetos para crianças.

Laranja – Dinâmica, Estímulo, Força, Comunicação.

Vermelho – Comando, Ação, Atenção. É a cor que mais mexe com os instintos humanos. Use com moderação!

Verde – O verde puro é o ponto de equilíbrio entre a emoção e a razão. É a cor da Natureza, da Sorte, da Segurança.

Azul – Racional, Individualista. Dependendo da matiz, cor da Limpeza, da Educação.

Púrpura – Luxo, Nobreza e Vaidade.

Sensações Visuais Acromáticas

Preto – Mistério, Requinte, Sofisticação.

Cinza – Seriedade, Sabedoria, Tecnologia, Futurismo.

Branco – É a Base, a Pureza, a Paz, a Calma.

Dicas

1 – Crie sempre paletas reduzidas, pois não é necessário (normalmente), utilizar um número muito grande de cores em um mesmo jogo.

2 – Antes de escolher as cores, leve em consideração o tipo de jogo, o estilo do jogo, em que época acontece, o local, o tipo de cenário, a idade dos jogadores, os personagens, entre outras coisas.

3 – Um bom contraste depende da escolha correta de dois elementos: da figura e do fundo.

4 – Você pode escolher uma cor como elemento de destaque para seu jogo.

5 – Muito importante dizer também que as cores não fazem só o papel de deixar o jogo bonito. Elas têm a função de “levar” o olhar do jogador para o lugar certo no monitor, auxiliando-o na jogabilidade.

6 – No universo dos games, as cores ajudam a contar uma história, a criar harmonia e integração, e a movimentar o jogador.

Conclusão

Espero que essas dicas possam ajudar na escolha das cores de seu primeiro ou do seu próximo jogo.

Qualquer dúvida, crítica ou sugestão, estou à disposição de todos os leitores!

Meu nome é Patrícia Tâmega, sou Designer Gráfico, estou trabalhando em alguns projetos de games e participando da Academia de Produção de Jogos.

Bibliografia

FRASER, Tom; BANKS, Adams. O Essencial da Cor no Design. São Paulo: Senac, 2013.

FARINA, Modesto; PEREZ, Clotilde; BASTOS, Dorinho. Psicodinâmica das Cores em Comunicação. 6. ed. São Paulo: Blucher, 2013.

Comentários Finais (por Raphael Dias)

E aí, o que achou desse artigo? Incrível, não? 🙂

E se você quiser se aprofundar ainda mais na parte gráfica de um jogo, eu também recomendo este guia sobre Pixel Art, um dos estilos mais utilizados no desenvolvimento de games.

Agora eu tenho uma dica e uma pergunta pra você:

A dica é você adicionar a Patrícia Tamega no LinkedIn (basta clicar neste link). Lembre-se: networking é muito importante, então não deixe de se conectar com seus colegas e possíveis colaboradores futuros.

E a pergunta é a seguinte:

Qual das 6 dicas que a Patrícia deu neste artigo você achou a mais importante?

Comente abaixo dizendo qual dica você mais gostou e porquê. Se você tiver alguma dica adicional, não deixe de compartilhar com a gente também!

Vou ficar esperando aqui o seu comentário 🙂

  • Muito bacana!

    Resumiu praticamente tudo que vi na faculdade na matéria de Teoria das Cores!
    Ótimo artigo, minha dica pessoal para quem está na área é levarem isso á serio!
    O “Design das Coisas” e suas regras existem e depois que aprendemos a enxergá-lo fica beeem dificil nao ficar reparando em cada detalhe em nossa volta! seja um Logo, um panfleto, um filme ou um jogo.

    Parabéns Patrícia, vou adicionar voce no LinkedIn, acredito que nossas profissões se complementam neste universo.
    Tenho como foco 3D e animação além de Game Design, quem sabe não trabalhamos juntos em um projeto futuro 😉

    • Patrícia Tamega

      Obrigada, Skedar!

      Como te disse mais cedo: nunca mais enxergaremos o mundo da forma que achávamos que ele era!

  • Muito bacana!

    Resumiu praticamente tudo que vi na faculdade na matéria de Teoria das Cores!
    Ótimo artigo, minha dica pessoal para quem está na área é levarem isso á serio!
    O “Design das Coisas” e suas regras existem e depois que aprendemos a enxergá-lo fica beeem dificil nao ficar reparando em cada detalhe em nossa volta! seja um Logo, um panfleto, um filme ou um jogo.

    Parabéns Patrícia, vou adicionar voce no LinkedIn, acredito que nossas profissões se complementam neste universo.
    Tenho como foco 3D e animação além de Game Design, quem sabe não trabalhamos juntos em um projeto futuro 😉

  • Edy Junior

    Muito bacana, dicas muito bem explicadas.

    • Patrícia Tamega

      Muito obrigada Edy!

  • Bruno Costa

    Sempre tenho muito problema em definir cores para tudo, as dicas dos tipos de cores vão ao menos me dar um guia para ter um pouco mais de “bom gosto”. Obrigado.

    • Patrícia Tamega

      Bruno, fico contente em poder colaborar um pouco com a escolha das cores!

      E é isso mesmo, um pouco de teoria e uma dose de intuição!

  • Gustavo Larsen

    Muito bom artigo! Gostei 😉

    • Patrícia Tamega

      Obrigada, Gustavo!

      Sua opinião é sempre bem vinda!

  • Ailin

    Tinha separado o dia de hoje para estudar cores, acordo e me deparo com o email do Raphael falando do seu artigo, Patrícia. Foi uma ótima maneira de começar o dia! (:
    Estou começando nessa parte de arte e achei a questão das cores uma das mais intimidadoras. Gostei muito da sua explicação sobre HSB e sobre a sensação que as cores causam. O texto ficou ótimo, parabéns!
    Abraço,
    Ailin

    • Raphael Dias

      Que legal saber disso, Ailin! Fico feliz que a Patrícia e a equipe do PDJ te ajudou com esse tema hoje 🙂

    • Patrícia Tamega

      Ailin, que bom saber que seu dia começou com cores!

      O meu também, porque ler seu feedback é uma ótima maneira de começar o dia!

  • Deiverson Silveira

    Gostei muito do artigo! Eu acho fascinante a quantidade de informações que as cores carregam em si. Para ter ideia do poder das cores e quão incrível é, os astrônomos conseguem através da espectrofotometria, determinar muitas propriedades de estrelas distantes, galáxias e exoplanetas! Acho fantástico isso, analisando o espectro de luz emitido por um exoplaneta, os cientistas estão conseguindo realizar analises de assinaturas espectrais químicas que podem sugerir presença de compostos orgânicos gerados por processos biológicos, por exemplo. Desta forma conseguem dizer quais os compostos químicos existentes na atmosfera de um exoplaneta, sem precisar ir lá, por que cada tipo de composto químico emite uma cor única no universo, um padrão! E coisas fantásticas como o desvio para o vermelho que pode sugerir a expansão do universo (https://pt.wikipedia.org/wiki/Desvio_para_o_vermelho). Enfim! Estudar cores é muito importante! Se tratando de jogos, o artigo veio em uma boa hora, estou desenvolvendo um jogo com minha equipe e vai ajudar muito no processo de colorização do cenario e personagens, estarei aplicando a tecnica! Achei todas as 6 dicas excelentes!

    • Patrícia Tamega

      Deiverson, você, como sempre, escrevendo de forma a conter minha atenção para suas palavras!

      Obrigada, colega, e vou dar uma olhada no link que você enviou!

  • Jaison Robson Gusava

    Muito legal, eu não conhecia quase nada do que foi dito e explicado aqui, muito bom mesmo, gostei do esquema do isaac newton ali bem interessante quando se está pensando alguma tonalidade de cor para seu personagem.

    • Patrícia Tamega

      Jaison, fico super feliz em saber que ajudei a esclarecer um pouco suas dúvidas sobre o mundo das cores!

      Se precisar de alguma ajuda, pode contar comigo!

  • Patrícia muito bom o artigo até eu que sou totalmente leigo nisso consegui entender as dicas e realmente vou passar a utilizá-las. Parabéns de verdade 🙂

    • Patrícia Tamega

      Obrigada, Leo!

      Meu objetivo parece que foi alcançado então: ajudar meus colegas desenvolvedores indies, e que são programadores!

  • Gostei muito da matéria, principalmente da dica das cores análogas, complemetares e da tríade.

    • Patrícia Tamega

      Obrigada, Eduarda! Fico feliz em saber que gostou!

      Existem outras combinações para se obter harmonia entre as cores, mas essas são as mais utilizadas.

  • Alexandre Massagli

    “2 – Antes de escolher as cores, leve em consideração o tipo de jogo, o estilo do jogo, em que época acontece, o local, o tipo de cenário, a idade dos jogadores, os personagens, entre outras coisas.”
    Isso na minha opinião faz muita diferença. É o que realmente atrai a atenção de um jogador a um teste de seu jogo, por exemplo.

    • Patrícia Tamega

      É verdade, Alexandre!

      Quanto mais conhecermos nosso público jogador, mais podemos adequar o jogo à ele.

  • victor de souza

    Por isso que mario é vermelho e luigi é verde
    kkkkkk
    Agora tudo faz sentido
    Otimo artigo!

    • Patrícia Tamega

      Isso mesmo, Victor!

      Eu só não citei os dois neste artigo, porque os poucos que falam sobre o tema, sempre utilizam o Mario e o Luigi como exemplo de cores complementares.

      Obrigada!

    • Patrícia Tamega

      Isso mesmo, Victor!

      Eu só não citei os dois neste artigo, porque os poucos que falam sobre o tema, sempre utilizam o Mario e o Luigi como exemplo de cores complementares.

      Obrigada!

  • Valter

    Patrícia,

    Acrescentou muito ao meu conhecimento quando você mostrou a possibilidade de desenvolver a arte do game com cores análogas. Nem havia passado pela minha cabeça algo assim. Sempre tentei imaginar games com cores complementares. Na verdade parece que utilizando cores análogas você transmite ou pode despertar no jogador um tipo de sentimento mais claro.

    Parabéns pelo artigo!

    Abraço,

    Valter

    • Patrícia Tamega

      Obrigada, Valter!

      Exatamente isso! A escolha das cores vai depender do seu objetivo para o jogo, isto é, que sentimento você quer transmitir para o seu jogador!

  • Wesley Pinto

    Excelente artigo, fundamental! E não só para desenvolvedores de jogos, mas para artistas em geral.

    • Patrícia Tamega

      Obrigada, Wesley!

      É muito bom saber disto, e poder colaborar com os colegas!

  • Roberta Silva

    Muito bom o artigo! Particularmente prefiro a parte de programação, mas tenho plena consciência de que a parte gráfica também é super importante, principalmente a utilização adequada das cores que, sem sombra de duvida, deixa um jogo muito mais atrativo pro usuário. Essas 6 últimas dicas foram essenciais, principalmente pra quem está começando agora, como eu. Por mais que eu ainda não crie meus próprios cenários e personagens e ainda não tenha um maior conhecimento em Designer Gráfico pra opinar um pouco mais, usarei as dicas. Tenho lido outros artigos também. O Produção de Jogos tem sido muito importante no começo dessa minha longa jornada, cada dia mais me identifico com a área. Vocês estão de parabéns!

    • Patrícia Tamega

      Obrigada, Roberta!

      Este é o conceito que buscamos transmitir: o conceito de ajuda mútua!

      Fico feliz em poder ajudar com o que sei, e sempre peço ajuda para os colegas programadores, como você!

    • Raphael Dias

      Oi Roberta!

      É muito bom saber que o Produção de Jogos tem te ajudado a dar os primeiros passos nessa jornada 🙂

      Eu tenho muitas coisas preparadas para esse ano, então fique de olho!
      Abraço!

  • Paulo Santos

    Nossa! parabens, muito bom o texto, não entendo muito de arte e cores, e vai me ajudar muito no jogo que estou desenvolvendo, só não sei se vou conseguir aplicar corretamente rs, espero q sim, obrigado Patrícia.

    • Patrícia Tamega

      Obrigada, Paulo!

      Fico feliz em saber que vai te ajudar no jogo.

      Se tiver alguma dúvida em como aplicar as cores, pode contar comigo, que eu ajudo no que puder!

  • Bem explicado. Ficou bom de ler. ^ ^

    Sobre ferramentas e técnicas recomendo estes links:
    http://www.pixelfor.me/crc/F0390D42
    http://aquasixio.deviantart.com/art/Tutorial-17-A-turtle-walkthrough-345468329
    E este que é mais conhecido:
    https://color.adobe.com

    • Patrícia Tamega

      Obrigada por postar dicas. Só enriquece o conteúdo!

    • Ailin

      Valeu mesmo pelos links! (:

  • Jeovane Alves

    D+ que venham outros artigos como este!.

    • Raphael Dias

      Virão, Jeovane! Só ficar de olho aqui no site 🙂

    • Patrícia Tamega

      Obrigada, Jeovane!

      Como o Raphael Dias disse: fique de olho no site!

  • Leandro Freires

    Boa noite a todos, em especial à Patrícia Tamega. Patrícia, eu sou estudante de TI, faço Análise e Desenvolvimento de Sistemas na FATESG – SENAI em Goiânia e assinei o mailing do Raphael Dias por gostar de jogos e pela curiosidade em saber como eles são concebidos. Sempre tive uma queda por Front end e design (ainda não investi nesse conhecimento) e uma das coisas que eu ficava “encucado” era como as pessoas conseguiam compor as cores e o design em projetos web/mobile maravilhosamente bem. Tenho essa dificuldade em compor cores e um bom design, apesar de, intuitivamente, criticar o mal gosto de alguns trabalhos. Nesse artigo, adorei o tópico “Estudo das Cores: Círculo Cromático no Sistema Aditivo” em especial as harmonias cromáticas (cores análogas, as complementares e a tríade). Gostei também do tópico “Cores e Sensações” e como as cores podem proporcionar sensações nas pessoas. Com esse artigo, pude ver que é possível entender as cores, mas que isso exige estudo e experiências. Muito obrigado por compartilhar um pouco da sua experiência. E quem sabe eu me animo estudar um pouco mais… É, rs, quem sabe.

    • Raphael Dias

      Que bom que gostou, Leandro! A Patrícia mandou bem demais com esse artigo 🙂

      • Leandro Freires

        Foi muito bom mesmo. Apesar de gostar de um design seja em games, seja em página web, apps, etc, tenho uma certa dificuldade de compreender a composição de um bom design (na prática). Os conceitos de cores, apesar de inicial, foram bem demonstrados. Gostei. Esse é meu LinkedIn, https://br.linkedin.com/in/leandro-freires-8a3b45b6 , será um prazer tê-lo na minha rede. Abraço.

    • Patrícia Tamega

      Leandro, fico muito feliz em saber que consegui fazer você entender o maravilhoso mundo das cores!

      Qualquer dúvida que você tenha em suas criações, pode contar comigo!

      • Leandro Freires

        Bom dia, tentei conectar a você no LinkedIn, mas fui infeliz no meu objetivo. Me adiciona https://br.linkedin.com/in/leandro-freires-8a3b45b6 para que fique mais fácil mantermos contato.

        • Patrícia Tamega

          Olá, Leandro!

          Já te enviei o convite!

        • Patrícia Tamega

          Olá, Leandro!

          Já te enviei o convite!

  • Itacha Uchiha

    Aprendi que posso usar as cores em um personagem pra passar melhor ainda o significado da personalidade dele :p

    • Patrícia Tamega

      Isso mesmo, Itacha!

      As cores podem alterar a percepção que temos de um personagem, do mocinho ao bandido!

      Abraços, e obrigada pelo comentário!

  • Handrey Ferreira de Souza

    Boa Tarde pessoal, matéria super legal e importante também.
    Parabéns Patrícia e gratidão por compartilhar seu conhecimento a todos. Nosso mercado de jogos está crescendo por conta da busca incansável de conhecimento dos desenvolvedores e pela distribuição de conhecimento de vocês!
    Um abraço!

    • Patrícia Tamega

      Muito obrigada, Handrey! Comentários como o seu são essenciais para nos motivarmos a continuar nossa jornada rumo ao sucesso dos games nacionais!

      Abraço!

  • Fred Oliveira

    Realmente muito bom o artigo, como sempre o site nos proporciona excelentes leituras.
    Patrícia, muito obrigado.
    Apesar de bem completo, necessitamos muito do auxílio de cores no desenvolvimento de jogos, já li em outros sites, diversos artigos sobre o assunto e sinto que pouco conheço sobre o tema, acredito que muitos pensam parecido.
    Um abraço

    • Patrícia Tamega

      Fred, super obrigada! Também adoro os artigos do blog.

      Aprendo muito sobre coisas que não são da minha área, mas que são necessárias ao desenvolvimento de jogos. A programação!

      Grande abraço!

      • Fred Oliveira

        Programação é uma delícia que acabei ficando viciado, o médico me recomendou café, diz ele que ajuda nos sintomas.

        • Patrícia Tamega

          Boa, vou tomar também!