Entrevistas

Programando games na CAPCOM do Japão - Conheça a trajetória de Gus Martin

Programando games na CAPCOM do Japão - Conheça a trajetória de Gus Martin

Coloque seu nome e email para receber meus melhores conteúdos:

Como você acha que é trabalhar como programador em jogos como Final Fantasy, Dragon Quest e Kingdom Hearts?

Hoje, com muita alegria, está no ar o episódio de retorno do podcast!

Nessa nova temporada, além de trazer desenvolvedores indie brasileiros, eu resolvi fazer uma coisa diferente.

Eu vou trazer outros profissionais da indústria de jogos e também pessoas fodas de outras áreas que possam contribuir na nossa conversa sobre o mercado de games.

Então não deixe de se inscrever no canal do Youtube e no podcast no Spotify e no iTunes para não perder os próximos episódios que vão ser incríveis!

E no episódio de hoje eu tenho um convidado muito especial para dar início a esse retorno, o Gus Martin.

O Gus atualmente trabalha como programador na Capcom no Japão, uma das empresas mais icônicas da indústria por ser responsável pelas franquias Street Fighter, Resident Evil, Mega Man e muitas outras.

Nosso bate papo ficou incrível porque falamos sobre a trajetória do Gus até chegar na Capcom e também sobre formas de pensar para alcançar seus objetivos, referências, experiência em trabalhar em grandes franquias, o projeto indie dele e muitas outras coisas.  

Assista à entrevista completa para saber

  • As primeiras experiências do Gus com desenvolvimento de jogos quando ainda adolescente
  • Como ele foi estudar na Vancouver Film School
  • Como ele conseguiu um emprego na Electronic Arts
  • As primeiras experiências do Gus no Japão
  • A mudança para Tóquio para trabalhar na Square Enix e em projetos como Final Fantasy XV e Dragon Quest XI
  • A mudança para Osaka e o trabalho no Kingdom Hearts
  • Como é atualmente o trabalho para a Capcom na divisão da ReEngine
  • Como é trabalhar com grandes jogos e jogos famosos e sua contribuição nos projetos
  • Sobre a relação de trabalhar com grandes jogos
  • Como é a experiência dele sendo programador numa grande empresa como a Capcom
  • Os projetos independentes do Gus e o processo de escolha para desenvolver o Resort Boss Golf sozinho
  • A importância de manter as coisas simples num projeto independente mesmo para quem já tem experiência
  • A escolha das plataformas para publicar o Resort Boss Golf
  • Como é o Resort Boss Golf
  • Sobre as mudanças de mercado e ciclos de temáticas de jogos
  • As principais ferramentas que o Gus utiliza no dia a dia para desenvolvimento e organização
  • A importância da prototipagem no desenvolvimento indie
  • O que ele faria se começasse hoje do zero
  • Recomendações de livros de outras áreas que o ajudaram no desenvolvimento de jogos
  • Jogos que mais o ensinaram sobre game design
  • A importância de repertório e outras experiências para o desenvolvimento de jogos
  • A visão do Gus sobre fracasso
  • A principal dica do Gus para quem quer entrar na indústria de games

Play

Escute também pelo iTunes, Spotify e se inscreva no Podcast para não perder os próximos episódios!

Links selecionados desse episódio

Jogos mencionados:

Posts relacionados e recomendados

Agora eu gostaria de ouvir de você: Qual foi a sacada mais importante que você tirou desse episódio?

E, mais importante, que ação você vai tomar para implementar essa sacada no seu jogo, na sua carreira, ou na sua empresa de jogos?

Importante: Compartilhe suas ideias e sacadas dessa entrevista diretamente nos comentários abaixo.

Obrigado por assistir e compartilhe com seus amigos que você acha que precisam escutar esse episódio!

Até o próximo,

Raphael

Opa,

qual foi a maior sacada que você teve? Conte nos comentários.