Como trabalhar com jogos sem ter formação na área

0 Flares 0 Flares ×

Você já deve ter esbarrado em notícias por aí que mostram o quanto a indústria brasileira de games cresceu nos últimos anos. Entre 2014 e 2016, por exemplo, durante plena crise econômica, o setor de jogos digitais cresceu 25% em faturamento, como mostra essa matéria do G1:

Os crescentes números da indústria de games no Brasil e no mundo naturalmente fazem muitas pessoas pensar em seguir carreira na área.

E após esse primeiro pensamento passar pela cabeça, o próximo geralmente é um dos dois abaixo:

  1. Pessoas que ainda não entraram na faculdade: “Eu adoraria trabalhar com games e seguir carreira na área, mas será que eu não devo escolher uma faculdade mais tradicional como Ciência da Computação, Design gráfico ou outra coisa, em vez de fazer uma faculdade de jogos digitais?”
  2. Pessoas que já tem uma carreira em outra área: “Ah, seria legal trabalhar com jogos, mas eu já tenho uma carreira em outra área e com certeza não vou começar uma nova faculdade para virar um desenvolvedor de jogos.”

Bom, independentemente de qual caso mais se aproxima do seu, eu tenho uma coisa importante para te explicar sobre como a carreira na indústria de games funciona.

Em uma única frase, o que você precisa entender é o seguinte: a indústria de games é nova e a forma que se trabalha nela também.

Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, não é necessário ter uma faculdade ou qualquer outro diploma para trabalhar com games.

Melhor ainda: se você vem de outra formação, há grandes chances de que consiga aproveitar suas habilidades e experiências anteriores na hora de desenvolver um jogo.

Prova disso são os vários desenvolvedores de jogos que eu já entrevistei para o PDJ Show.

Pessoas como Daniel Monastero, um advogado que fundou uma empresa de games e lançou um jogo para Xbox One.

Ou o Walter Machado, um cirurgião dentista que ao lançar seu primeiro jogo faturou o que precisava para sustentar sua família por 2 anos e largou a carreira para viver do desenvolvimento de games.

E até mesmo o Orlando Fonseca Jr., fundador de uma empresa de jogos em Realidade Virtual, que nem esperou terminar a faculdade de desenho industrial para começar a criar jogos.

Portanto, justamente porque muitos estúdios surgiram de forma parecida com as histórias acima, não se surpreenda quando os próprios donos de estúdios de jogos disserem que o diploma não é necessário para trabalhar em suas empresas.

Veja, por exemplo, o que alguns deles me responderam quando eu perguntei como eles selecionam novos colaboradores:

“Para qualquer vaga que abrimos, valorizamos muito mais o que a pessoa já desenvolveu (portfólio e projetos que já participou) do que o currículo e o que essa pessoa já estudou.” – Tiago Zaidan, da TDZ Games

“Consideramos fit cultural, capacidade técnica e qualidade do trabalho em equipe, nessa ordem.” – Gabriel Stürmer, da Cupcake Entertainment

“Primeiramente pelo comprometimento e responsabilidade com o estúdio e projetos a serem desenvolvidos. Após esta primeira etapa, avaliamos o nível de proatividade e criatividade, e o terceiro aspecto são as habilidades técnicas (programação, design gráfico, etc.).” – Rafael Rios, da Black JAK Studios

“Não buscamos alguém com anos de experiência, mas buscamos gente que se interessou o suficiente em estudar em casa, a ponto de ter atingido um certo nível nos seus trabalhos pessoais.” – Lucas Thiers, da Double Dash Studios

Viu só? O conjunto de habilidades que muitos donos de estúdio de jogos procuram vai muito além de uma formação na área.

Mas – você deve estar se perguntando – se não é necessário ter diploma, o que é preciso então para trabalhar com games?

Fica comigo que é exatamente isso que vou te ensinar neste artigo.

1. Desenvolva suas habilidades

A primeira etapa para se preparar para a indústria de jogos é definir qual das habilidades você irá desenvolver para entrar nesse mercado.

Um bom começo para fazer isso é ver com qual área você se identifica mais – como programação, design, game design, marketing, roteiro, etc. – e pesquisar quais as maiores demandas da indústria atualmente.

E é aqui que entra uma grande vantagem desse setor não exigir diploma: você mesmo pode decidir a melhor forma para adquirir o conhecimento necessário.

Você pode combinar cursos online, artigos, livros, workshops e o que mais for necessário para que você aprenda as habilidades necessárias da maneira mais eficiente possível.

(Veja, por exemplo, as referências deste artigo sobre como é a carreira de um game designer)

Agora, com essa oportunidade em mãos, é importante que você tenha excelência no que irá fazer. Aproveite que você está no controle de como adquirir suas habilidades e busque desenvolvê-las de forma continuada, sempre procurando um alto grau de excelência. Afinal, o mundo já está cheio de gente nota 7.

Se você ainda tem dúvidas sobre qual área mais se encaixa com o seu perfil, um bom ponto de partida pode ser este ebook que eu escrevi. Ali eu explico sobre 21 carreiras da indústria de games.

2. Crie e nutra seu portfólio

Supondo que você já tenha desenvolvido as habilidades mínimas necessárias, chegamos então na segunda etapa: você precisa provar que possui essas habilidades.

Agora, se os diplomas e certificados não são tão relevantes na indústria de games, o que você deve fazer para provar que é bom em algo?

A resposta é simples: portfólio.

Para ter uma ideia do quanto isso é importante para se dar bem nesse mercado, veja o que alguns dos donos de empresas de games me disseram sobre isso:

“Selecionamos pelo portfólio e pela vontade do profissional. Hoje em dia o portfólio conta bastante para a tomada de decisão”. – Igor Moraes, do estúdio The Glitch Factory

“Faça projetos próprios, são nesses elementos do seu portfólio que o contratante percebe o amor ou não do seu trabalho.” – Tales Sampaio, da Grumpy Panda Studios

“Recomendo que montem um bom portfólio e, de preferência, participem de game jams para isso.”, Fira Soft

“Nós olhamos o portfólio da pessoa. Se a vaga for para artista ou sound designer/compositor, a avaliação do portfólio fica mais fácil porque conseguimos encontrar pessoas que já fizeram coisas de qualidade e parecidas com o que estamos procurando.” – Tiago Zaidan, da TDZ Games

“Portfólio, portfólio, portfólio sempre! Baixe uma engine e comece a desenvolver pequenos jogos ou pequenos demos. É muito importante ter o que mostrar.” – Alexandre Ribeiro, da Anima Games

Ok, espero que com isso eu já tenha te convencido sobre a importância de se construir um portfólio para conseguir trabalhar com games.

Vamos agora analisar algumas formas de você montar um portfólio, mesmo se estiver começando do zero.

Participando de Game Jams

A vantagem de escolher uma game jam para iniciar seu portfólio é que ela traz benefícios para diversos aspectos da sua carreira.

O primeiro deles – e mais previsível – é que você consegue ter um jogo pronto para mostrar ao mundo em um espaço curto de tempo. E dependendo da qualidade do que foi produzido, você pode até mesmo lançar o game futuramente no mercado.

Inclusive, existem excelentes jogos que saíram de game jams e até serviram como ponto de partida para estúdios de jogos. Foi o caso da Big Green Pillow, que criou o game Porcunipine na Ludum Dare e conseguiu transformá-lo em um produto rentável posteriormente.

Outro benefício é a oportunidade de conseguir feedbacks mais rapidamente sobre suas habilidades e seu jogo, além de aprender com a banca avaliadora em alguns casos.

Foi esse tipo de aprendizado, aliás, que impulsionou a Loud Noises. A partir da maratona de desenvolvimento de jogos Global Game Jam, em 2013, os desenvolvedores Andre Asai e Zé Osmar formaram a equipe que mais tarde lançaria o primeiro game do estúdio, o Headblaster.

Então, mesmo que seu jogo não seja um sucesso comercial e não ganhe nenhum prêmio, você poderá colocar essa experiência para sempre no seu portfólio.

Isso porque a sua participação em uma game jam e a conclusão do desenvolvimento de um jogo nela mostram muitas coisas sobre você, como por exemplo:

  • Comprometimento e pró-atividade (por decidir participar de uma maratona do tipo);
  • Força de vontade e determinação (para finalizar o que começou);
  • Gerenciamento de escopo e produtividade (para conseguir finalizar o projeto a tempo);
  • Trabalho em equipe, se o seu jogo foi feito com mais pessoas;
  • … entre várias outras coisas.

E, claro, tudo isso é muito bem visto por alguém que vai contratar um novo funcionário ou freelancer para trabalhar em um projeto.

Criando “pedaços” de jogos

Essa talvez seja a opção mais fácil – e também mais subestimada – para criar ou melhorar um portfólio.

Eu também considero essa a opção “anti-desculpas” e eu vou explicar o que quero dizer com isso em um instante.

Primeiro, quero reforçar novamente qual é a função de um portfólio: provar (para um potencial empregador) que você possui determinada habilidade.

Note que a função não é “provar que você já publicou jogos” ou “provar que você já participou de um jogo de sucesso” ou “provar que você já ganhou dinheiro com jogos”.

Todas essas opções seriam boas adições ao seu portfólio, mas não são o principal objetivo do mesmo. O principal objetivo é provar que você possui determinada habilidade.

Como então criar apenas um pedaço de jogo pode ajudar?

Veja esse exemplo do blog do Rodrigo Pegorari, onde ele mostra o script criado para simular o comportamento de um objeto de borracha na Unity.

Note que esse exemplo nem de perto é um jogo. Não há nem mesmo uma mecânica ou menu de opções. É simplesmente a implementação de uma funcionalidade que pode ser útil em um jogo.

Dessa maneira, o Rodrigo conseguiu demonstrar um pouco de suas habilidades como programador de jogos mesmo sem precisar fazer um jogo.

(Nota: o Rodrigo é meu amigo e desenvolvedor de jogos profissionais há anos. Ele provavelmente nem fez esse script para servir de portfólio. Estou apenas usando-o como exemplo)

Você pode usar dessa mesma estratégia para expandir seu portfólio ou iniciar um focado em games (caso você esteja vindo de outra área).

Em vez de desfilar um monte de desculpas por não ter um portfólio ainda (“não tenho equipe”, “não tenho ideia de jogo”, “não tenho tempo para participar de game jam”), você pode começar a sujar as mãos hoje mesmo e criar algo para incluir no seu portfólio.

E como decidir o que criar? Bom, isso depende de você. Depende de qual habilidade técnica você está interessado em ser reconhecido e qual é o nível da sua habilidade hoje.

Para te inspirar a começar hoje mesmo a criar mais um item para o seu portfólio, deixa eu te dar algumas ideias:

  • Se você é um programador: você pode implementar um jogo multiplayer online, algo importante para muitos jogos. Como você só quer provar que consegue fazer a programação necessária para implementar um jogo multiplayer, o seu jogo pode conter apenas um monte de cubos e uma tela com textos mostrando que as partes estão se comunicando perfeitamente via servidor;
  • Se você é um artista gráfico 2D: Pegue uma ideia qualquer de jogo 2D e faça todas as ilustrações necessárias, como se o jogo realmente estivesse sendo desenvolvido. O seu objetivo pode ser criar aqueles “prints” do jogo que nós vemos nas lojas de games como Steam ou App Store. Lembre-se: o jogo não existe, mas isso não te impede de mostrar que você teria capacidade de ilustrá-lo!
  • Se você é um músico: escolha uma temática de jogo e faça uma série de músicas com ela. Por exemplo, você pode criar um álbum apenas com trilhas para jogos de terror. Ou apenas com trilhas para casual puzzles. Ou apenas com trilhas chiptune. A temática varia de acordo com seus objetivos e interesses profissionais/artísticos, mas acho que deu pra pegar a ideia;
  • Se você é modelador 3D: em vez de modelar coisas aleatórias, você pode simular um projeto real. Recomendo que você siga dois passos pra implementar isso: (1) Escolha um jogo qualquer que você goste (ex.: God of War); (2) Finja que foi contratado para fazer um novo personagem para esse jogo e dê o melhor de si. Lembre-se que a sua criação deve estar em sinergia com o resto do jogo, o asset final deve estar otimizado para a plataforma-alvo do game e tudo mais que você precisaria fazer se realmente tivesse conseguido esse freela. E o mais importante: se você vai se propor a criar um modelo 3D para determinado jogo, tenha certeza que sua habilidade chega nesse nível! Não tente criar um personagem estilo God of War se sua habilidade ainda não está nesse nível. Escolha algo mais simples, se for o caso.

Esses são apenas alguns exemplos pra fazer você refletir. Eu recomendo que você gaste algumas horinhas se perguntando o que você poderia criar que comprove sua habilidade, sem necessariamente se preocupar com os outros quesitos que constituem um jogo.

O seu portfólio agradece.

Trabalhando em projetos não-remunerados

Trabalhar de graça em um projeto realmente pode ser uma armadilha para profissionais iniciantes em muitos sentidos. Por isso, esse modelo como opção para montar portfólio deve ser pensado com muita estratégia e cuidado.

Um bom começo para tirar proveito disso sem tantos riscos é avaliar se a quantidade de horas dedicadas ao projeto, o escopo e a equipe com quem irá trabalhar trarão benefícios no futuro.

Afinal, se essa experiência for realmente significativa ela abrirá portas para que você consiga um trabalho depois (e quem sabe até com um ótimo salário que recompense as horas gastas no projeto anterior). Cabe somente a você avaliar esses aspectos de acordo com o seu objetivo a longo prazo na indústria de games.

Outra alternativa interessante para que esse modelo não custe o seu tempo e trabalho em vão é você ser ativo no processo de busca desse tipo de projeto e não depender apenas das vagas publicadas por aí.

Fale com as empresas de jogos que você mais gostaria de trabalhar (de acordo com o seu perfil) e ofereça a elas a sua melhor habilidade para algum novo game que esteja em produção (sem pedir nada em troca).

Dessa forma você tem a oportunidade de aperfeiçoar suas habilidades e conviver exatamente no ambiente em que gostaria de trabalhar.

Se bem executada, essa abordagem pode gerar vários benefícios pra você, como um item de peso no seu portfólio ou mesmo um emprego na empresa de games que você ajudou.

Criando simples jogos autorais

Muitos desenvolvedores de jogos iniciam suas carreiras criando seu primeiro game. Isso porque além do jogo autoral ser um possível passaporte para uma carreira na indústria de jogos, trabalhar dessa forma trará liberdade para explorar sua criatividade e dar vida ao tipo de projeto que você mais gostaria de fazer.

E o game não precisa ser bem sucedido comercialmente para ser um item relevante do seu portfólio. Ele pode ser apenas uma forma de você demonstrar suas habilidades.

O valor de criar um game do zero e finalizá-lo é inestimável, pois a experiência de ter conduzido um projeto do começo ao fim é uma qualidade que coloca o seu currículo na frente de muitos candidatos. Tenha em mente que muitos estúdios de jogos têm um quadro de funcionários pequeno, então a capacidade de se autogerenciar contará muito a seu favor.

Criando assets

Assets – elementos gráficos, áudios, animações e scripts já prontos para serem usados na criação de jogos – também são uma forma de divulgar o seu trabalho na indústria de jogos.

A diferença é que mais do que simples exemplos do que você é capaz de fazer, esses itens te dão a oportunidade de ter um trabalho seu dentro de um jogo real, algo que você pode divulgar posteriormente em seu portfólio.

Além disso, dependendo do nível da sua habilidade e do seu tempo, você pode ganhar dinheiro exclusivamente com a venda de pacotes de assets (como muitas pessoas fazem).

Se você deseja seguir por esse caminho, a Unity Asset Store pode ser um bom começo. E eu já até escrevi sobre como esses itens funcionam e sobre como você pode começar a ganhar dinheiro vendendo as suas criações nesta loja em um artigo.

Escrevendo artigos e guias sobre o assunto

Outra maneira de demonstrar seus conhecimentos sobre desenvolvimento de jogos é escrever sobre o assunto em blogs ou sites.

Assim, além de demonstrar suas habilidades para potenciais empregadores, você ainda pode alcançar milhares de leitores e fazer com que seu nome seja reconhecido na indústria.

E não é nem preciso criar seu próprio site do zero para fazer isso. Você pode buscar sites especializados, que já tenham um público engajado, para oferecer seus conteúdos e divulgar o seu nome.

Alguns alunos da Academia de Produção de Jogos fizeram exatamente isso. Eles ajudaram a enriquecer o conteúdo aqui do blog com tutoriais, guias e relatos sobre o desenvolvimento de seus games.

O Leonardo Thurler, por exemplo, usou todo o conhecimento adquirido sobre a Unity e criou um tutorial ajudando outros desenvolvedores a criarem um ranking de jogadores em seus projetos. Já a Patricia Tamega resolveu compartilhar seus conhecimentos com design gráfico, falando sobre a importância do estudo das cores no desenvolvimento de jogos.

Eu tenho certeza de que uma empresa que esteja procurando um candidato para trabalhar com Unity ou como designer gráfico iria valorizar os textos que eu citei acima.

Na verdade, eu mesmo já contratei um aluno que escreveu alguns artigos aqui no blog. A clareza de sua escrita e o domínio do assunto (demonstrado nos artigos) me deixaram seguro em contratá-lo para o desenvolvimento de um jogo.

Destaque suas maiores habilidades no portfólio

A quantidade de opções para montar um portfólio de games é extensa e você pode explorar cada uma delas de acordo com o seu tempo, habilidade e preferência.

É importante que você pense estrategicamente na construção desse material, garantindo que ele demonstre muito bem a habilidade que você gostaria de desempenhar caso seja contratado.

Caso você ainda não saiba qual competência explorar para criar um bom portfólio, comece pesquisando sobre quais ferramentas, linguagens, abordagens e estilos têm sido mais procuradas na indústria de jogos.

Assim você terá maior chance de desenvolver habilidades que realmente são demandadas pelo mercado.

3. Aja como um profissional

Agir profissionalmente é uma das atitudes que mais pode abrir portas na indústria de jogos.

Essa pode parecer uma dica óbvia mas, acredite, poucas pessoas fazem isso.

A maioria das pessoas investe todo seu tempo no desenvolvimento de habilidades técnicas e esquecem de desenvolver outras habilidades extremamente importantes como proatividade, produtividade, boa comunicação, bom trabalho em equipe, pontualidade e comprometimento com prazos dos projetos, entre outras.

Veja só o que alguns donos de empresas de jogos falaram pra mim quando eu perguntei sobre os maiores erros dos candidatos à vagas (os destaques são meus):

“Os erros mais comuns que percebemos são: falta de portfólio, falta de comprometimento, falta de humildade (falta de conhecimento da sua real habilidade no momento), falta de perfil para trabalhar em equipe. Todos esses erros aumentam as chances da pessoa ser eliminada.” – Tiago Zaidan, da TDZ Games

“Nós observamos bastante a proatividade do profissional. O principal erro é não mostrar essa proatividade.” – Igor Moraes, do estúdio The Glitch Factory

“O candidato deve ter uma boa postura, falar com tranquilidade e conhecer antecipadamente a empresa. Os principais erros são: manter-se muito calado e mentir sobre o que sabe e sobre o que não domina.” – Mariano Malta, da Sotero Tech

E essas são apenas algumas das respostas que eu recebi.

Por ser uma área de entretenimento, algumas pessoas acham que não existem formalidades na indústria de jogos e não dão a devida importância para o desenvolvimento de habilidades não-técnicas.

Afinal, os estúdios de jogos podem não dar tanta importância para a formação universitária, mas isso não significa que eles não estejam procurando profissionais que levam o trabalho a sério e sejam proativos para trazer novas ideias, sugestões e soluções para seus projetos.

O que fazer então?

O primeiro passo é reconhecer a importância de habilidades não-técnicas na hora de conseguir um trabalho no mercado de games (o que eu espero ter te convencido neste artigo).

O segundo passo é correr atrás de desenvolver essas habilidades.

Existe uma infinidade de cursos, livros e blogs que podem te ajudar com isso. Mas o que fará você de fato evoluir é se esforçar para praticar diariamente sua comunicação, produtividade, proatividade e outras habilidades que você queira melhorar.

Conclusão

Ao contrário do que muita gente pensa, diplomas e certificados não são obrigatórios na indústria de games.

O que realmente importa é você ser bom no que faz e conseguir provar o nível de suas habilidades. E isso pode ser feito através de um portfólio.

Existem inúmeras maneiras de trabalhar com jogos e desenvolver um portfólio de qualidade é apenas mais um passo nessa jornada.

Quer saber como entrar no mercado de games?

Inscreva-se abaixo e receba meu Plano de Ação para descobrir os próximos passos para realizar seu sonho de trabalhar com jogos:

Agora eu quero saber de você…

Para mim de nada adianta escrever um artigo detalhado como esse se você não decidir tomar ação com o que aprendeu com ele.

Eu quero que você dê seus primeiros passos para trabalhar com games ou evolua na sua carreira se você já começou, conquistando oportunidades cada vez melhores.

Então agora chegou a sua vez de colocar a mão na massa. Responda nos comentários abaixo essas duas perguntas:

  1. Se você ainda não tem um portfólio preparado para o mercado de jogos, me diga: qual das estratégias para construir portfólio que eu dei nesse artigo mais te interessou e o que você vai fazer para implementá-la?
  2. Se você já tem um portfólio, coloque-o abaixo nos comentários e me diga como você pode torná-lo ainda melhor com as dicas deste artigo.

Eu vou ver todos os portfólios e comentar as primeiras respostas para as perguntas acima. Quem sabe eu possa recomendar algo específico para a sua situação!